Avianca faz campanha para dizer que não é a Avianca (a quebrada)

Holding quer se distanciar da marca brasileira e terá code-share com Azul ou Gol

Igor Gielow
São Paulo

A quebra da Avianca Brasil gerou um problema inusitado para a holding que controla a empresa aérea homônima colombiana, que não tem relação comercial com a linha brasileira que deve ter o leilão de seus ativos em 10 de julho.

Airbus-330 da Avianca colombiana, similar ao que faz algumas rotas no Brasil, decola em Caracas
Airbus-330 da Avianca colombiana, similar ao que faz algumas rotas no Brasil, decola em Caracas - Carlos Garcia Rawlins - 24.mai.2019/Reuters

"Como os nomes se confundem, o que é normal, os passageiros acabam se afastando. O cliente fica receoso", afirma o CEO interino da Avianca Holdings, o brasileiro Renato Covelo.

As empresas são irmãs na origem e por anos tiveram os mesmos controladores, a família colombiana Efromovich, mas têm operação separada. Além disso, em maio uma cobrança judicial acabou afastando os donos originais do controle efetivo da holding. Só que a identidade visual e a interligação de voos seguiu sendo a mesma.

Traduzir isso para os consumidores que se viram lidando com voos cancelados e dificuldades de reembolso de passagem nos meses de agonia da Avianca nacional é o nó para a empresa colombiana, que mantém voos para São Paulo, Rio e Porto Alegre partindo de Bogotá e Lima.

O problema mais imediato é de imagem, diz Covelo, e isso deve ser tratado com ações de marketing ainda a serem definidas. Segundo Nissim Jabiles, diretor da empresa para Brasil, Peru e Equador, a Avianca está finalizando a montagem de um escritório próprio no Brasil, que contará com 12 executivos de venda.

Até aqui, era a Avianca Brasil que cuidava da distribuição de passageiros de rotas domésticas para os voos internacionais da colombiana. Agora, dizem Covelo e Jabiles, isso será feito por compartilhamento que está sendo negociado com a Azul e a Gol.

Segundo os executivos, o pedido de oficialização de code-share (compartilhamento de emissão de passagens) com uma das empresas deverá ocorrer em até dois meses, a depender da velocidade dos órgãos regulatórios do Brasil e da Colômbia.

Covelo trabalhou oito anos e meio na Azul, na área jurídica, e desde 2016 está na colombiana. Ele está ocupando o cargo interinamente até 15 de julho, quando assume Anko van der Werff.

Obviamente, Covelo não dá palpite sobre a encarniçada briga entre sua antiga empregadora, a Gol e a Latam pelo espólio da Avianca, que tem por exemplo 41 preciosos slots (autorizações de pouso e decolagem) no rentável aeroporto de Congonhas.

Mas ele afirma que a colombiana não tem interesse comercial de entrar na disputa. "Teríamos de montar uma empresa brasileira, e isso não está em cogitação", diz. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.