PIB cai e desemprego cresce na Argentina

Dados são preocupantes para o presidente Mauricio Macri, que busca a reeleição

Sylvia Colombo
Buenos Aires

A quatro meses do primeiro turno das eleições presidenciais, surge mais um número preocupante para o atual presidente, Mauricio Macri, que busca a reeleição. A taxa de desemprego voltou a entrar nos dois dígitos no primeiro trimestre de 2019, chegando a 10,1%, um ponto a mais do que o mesmo período em 2018. Isso não ocorria desde 2006.

A cifra foi divulgada nesta quarta-feira (19) pelo Indec (o IBGE argentino). O número corresponde a 1.961.840 desempregados.

Também aumentou o número de pessoas consideradas sub-ocupadas, são hoje 2,2 milhões, contra 417.355 do mesmo período, no ano passado. Já a informalidade passou de 33,9% no primeiro trimestre de 2018 para 35%, neste primeiro trimestre.

O Indec anunciou, no final da tarde, que o PIB também caiu no primeiro trimestre, em 5,8%, ante o mesmo período em 2018. Com relação ao quarto trimestre de 2018, a queda foi de 0,2%.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.