Governo Bolsonaro acelerou ritmo das negociações, diz comissária europeia

Cecilia Malmström afirmou que negociações evoluíram no começo de 2019 e que o novo governo brasileiro tinha no acordo uma de suas prioridades

Lucas Neves
Bruxelas

A comissária europeia para o Comércio, Cecilia Malmström, disse nesta sexta-feira (28), após o anúncio da conclusão do acordo entre Mercosul e União Europeia (UE), que o ritmo das negociações se acelerou no começo de 2019, com a posse do novo governo brasileiro, “que tinha nele uma de suas prioridades”.

Além disso, segundo ela, “o clima internacional ajudou a nos convencer de que era hora de concluir esse acordo”. A comissária se referia à guerra comercial entre EUA e China.

Ainda que não mencionada por Malmström, a troca de guarda na Comissão Europeia (braço executivo do bloco), em novembro, também contribuiu para agilizar os trabalhos. A nova burocracia precisaria de tempo para se familiarizar com os meandros de uma negociação de duas décadas.

​Malström ressaltou que o texto fechado agora tem provisões acerca da proteção ambiental e da adesão ao Acordo de Paris sobre a mudança climática –um sumário será divulgado neste fim de semana.

Há cerca de dez dias, uma carta assinada por cerca de 340 ONGs (a maioria europeias) pedia que a UE não concluísse o acerto comercial enquanto o Brasil não adotasse “medidas rígidas para pôr fim ao desmatamento” e o país não desse “demonstrações concretas de implantar o Acordo de Paris”.

Na campanha de 2018, Bolsonaro declarou que poderia tirar o Brasil do pacto firmado na capital francesa em 2015. Na quinta (27), o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou que, se a posição do líder brasileiro ainda fosse essa, seu país não assinaria qualquer acordo comercial com o Mercosul.

Na sexta, o comissário europeu para a Agricultura, Phil Hogan, atribuiu os 20 anos de tratativas à necessidade de contemplar os interesses dos 28 países que compõem a UE –“no Mercosul, são apenas quatro”, comparou.

Na reta final das negociações, a UE se dividiu em duas frentes: um grupo liderado pela Alemanha e pela Espanha enviou carta à Comissão na sexta (21) pedindo que elas fossem encerradas rapidamente.

Já a ala capitaneada por França e Irlanda sustentava que um acordo poderia “desestabilizar a produção e o setor agrícola” e expressava preocupação especial com as cotas a serem definidas para a entrada de carne bovina, frango, açúcar e etanol na UE.

Depois do pronunciamento dos comissários europeus, o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, disse que a longa gestação da parceria comercial se deu porque “faltava vontade política dos principais atores, certamente do lado do Brasil”.

“A grande diferença é a determinação política do presidente Jair Bolsonaro”, afirmou o ministro, que antes falara em “dia histórico para o nosso governo”.

Para Araújo, que é crítico do globalismo, o pacto se insere “nas linhas de ação da política externa e comercial do Brasil: competitividade, abertura ao mundo, integração e reconexão com parceiros tradicionais, com conjunção com os parceiros de Mercosul”.

Em outubro de 2018, pouco após o anúncio da vitória de Bolsonaro na eleição, o hoje ministro da Economia Paulo Guedes, disse que o bloco sul-americano não era uma prioridade da futura gestão.

Na sexta, depois de destacar a contribuição da Argentina (que presidia a atual rodada de tratativas, pelo lado do Mercosul), Araújo afirmou que o acerto valoriza o consórcio regional como plataforma negociadora.

Para Marcos Troyjo, secretário especial de Comércio Exterior, que também participou da última rodada de negociações, “é como apertar o botão de reiniciar pro Mercosul”.

“O bloco foi durante muito tempo uma caixa de ressonância de interesses ideológicos. Dava opinião sobre processo de paz no Oriente Médio, se a Crimeia pertencia a este ou àquele país, mas não fazia coisas básicas de integração econômica ou logística. Isso abre portas, por exemplo, para a revisão da tarifa externa comum.”

Segundo Araújo, o pacto “reforça o papel do Brasil como ímã de economia de mercado e democracia na região”, por envolver um parceiro comprometido com valores democráticos e de liberdade, inclusive econômica.

O ministro afirmou que as “duras” dadas no governo brasileiro nesta semana pelo presidente francês, Emmanuel Macron, e pela chanceler alemã, Angela Merkel, no que se refere à política ambiental não tiveram impacto na reta final das conversas.

Porta-voz brasileiro confunde nome de chanceler

O porta-voz da Presidência brasileira, general Otávio Rêgo Barros, se atrapalhou ao citar o ministro das Relações Exteriores durante entrevista coletiva.

“Conversei com o embaixador Otávio Brandelli [secretário-geral do Ministério de Relações Exteriores], que está em contato com o ministro Eduardo... O ministro [Ernesto] Araújo lá em Bruxelas”, disse.

Nos bastidores de Brasília, comenta-se que, pela influência que exerce e pela presença em viagens presidenciais, o deputado federal e filho do presidente Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) é uma espécie de chanceler informal do país.

Depois de se confundir, Rêgo Barros continuou a comentar as negociações para o acordo comercial entre União Europeia e Mercosul.

“No momento em que eles falaram estava muito avançado o acordo e nós ainda temos um dia para tratar alguns pontos. Então estamos muito esperançosos de que esse acordo possa o mais pronto possível ser divulgado”, disse.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.