Descrição de chapéu DeltaFolha

Greve empolga menos no Twitter que atos por educação em maio

Análise foi feita pelo GPS Ideológico, ferramenta da Folha que analisa o debate político na rede

Fábio Takahashi Leonardo Diegues
São Paulo

A discussão no Twitter sobre a greve desta sexta (14) contra a reforma da Previdência parece ter empolgado menos do que os diálogos do ex-juiz Sergio Moro e do procurador Deltan Dallagnol. Menos também que os protestos contra o contingenciamento de recursos para educação, em maio.

Entre os usuários de centro na rede social que se manifestaram sobre a paralisação desta sexta, houve uma tendência a criticar a mudança proposta nas aposentadorias.

O movimento foi captado pelo GPS Ideológico, ferramenta da Folha que acompanha o debate político na rede.

Considerando quem as pessoas seguem na plataforma, a ferramenta posicionou 1,7 milhão de usuários ativos da rede social numa reta, do ponto mais à esquerda (aqueles que tendem a seguir, por exemplo, políticos do PSOL e PT) ao mais à direita (que tendem a seguir a família Bolsonaro, por exemplo).

Para a análise sobre a greve contra a mudança nas aposentadorias, primeiramente foi considerado o volume de tuítes e retuítes que continham os termos “greve” ou “Previdência” (até as 17h desta sexta).

Foram 14 mil postagens por hora, contra 21 mil quando o assunto foram os diálogos de Moro e Deltan, revelados no sábado (8) pelo site The Intercept Brasil. Em maio, em meio aos protestos em defesa de verbas para educação, foram 74 mil tuítes por hora.

A ferramenta também permite analisar como os usuários de centro, direita e esquerda reagiram aos protestos desta sexta.

Para essa análise, os quase dois milhões de perfis considerados foram divididos em três grupos (os 33% mais à esquerda, os no centro e os 33% mais à direita).

Como era de se esperar, os perfis à esquerda tenderam a apoiar o movimento; os de direita, a criticá-lo.
Uma das mensagens mais representativas entre os usuários de esquerda foi “a ideia de uma paralisação/greve é mostrar que a cidade é afetada na ausência do trabalhador que é quem produz”.

Postagens representativas são aquelas usadas desproporcionalmente em um grupo.

Entre os de direita, um tuíte representativo foi “a reforma da Previdência já foi apresentada há mais de cem dias e o tempo passa. Vamos dar forcinha para nossos parlamentares e lembrá-los que o Brasil tem pressa?”.

Os usuários de centro foram discretos no debate (representaram apenas 8% dos tuítes que continham os termos “greve” ou “Previdência”).

Uma mensagem representativa no grupo de centro foi “governo pagou R$ 268,5 mil para Ratinho falar bem da reforma, diz revista”, em alusão a reportagem da revista Época.

Visto de outra forma, os usuários de centro também foram mais mais ativos em postagens sob a hashtag #GreveGeral do que #Dia14BrasilTrabalha, crítica à paralisação.

Hashtags são termos usados para identificar mensagens de um mesmo assunto.

Como foi feito

A ferramenta da Folha GPS Ideológico categorizou 1,7 milhão de usuários do Twitter no país, colocando-os numa reta do ponto mais à direita ao mais à esquerda.

Essa divisão leva em conta quem esses usuários seguem na plataforma. Com essa categorização, é possível verificar quais mensagens mais circulam em cada grupo. É possível, por exemplo, verificar quais palavras são mais associadas a alguns termos de busca, como "greve" e "Previdência".

Para esta análise, a divisão dos usuários foi: 33% usuários mais à direita; 33% ao centro; 33% mais à esquerda. A quantidade de tuítes inclui todos os posts, retuítes e respostas. Mensagens e palavras representativas se referem a posts e palavras que foram retuitados e usadas desproporcionalmente por usuários de um grupo em relação aos demais.

Na análise de mensagens representativas excluiu-se mensagens retuitadas menos que 250 vezes. Para palavras representativas exclui-se palavras presentes faladas muito comumente (exemplo: "ele", "mais" "que") e palavras usadas muito raramente (nome de usuários, hashtags e links).

DeltaFolha é o grupo de jornalismo de dados da Folha

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.