Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Mourão diz que moeda única é embrionária, mas que seria um 'baita' avanço

Na Argentina, Bolsonaro e Paulo Guedes falaram sobre um plano ainda incipiente de criar 'peso real'

Brasília

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse nesta sexta-feira (7) que o plano de se criar o "peso real", moeda única para Brasil e Argentina, é algo ainda embrionário, mas que representaria um "baita avanço".

Em encontro com empresários na quinta-feira (6), em Buenos Aires, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o ministro Paulo Guedes (Economia) falaram sobre a ideia. O tema já teria sido discutido com o ministro da Economia de Mauricio Macri e idealizador do plano, Nicolás Dujovne.

General Hamilton Mourão
General Hamilton Mourão diz que moeda única seria um avanço - Carlos Lima/Divulgação

Mourão disse que não estava na reunião em que o assunto foi discutido e que Guedes "é quem entende mais disso aí".

"É óbvio que, se houver possibilidade de ser factível isso, é um baita de um avanço, né? Você vê: a União Europeia tem sua moeda única, que é o euro. Se nós chegarmos aqui, na América do Sul, a um passo desse, acho que seria bom pra todo mundo", disse Mourão.

Desde que o Mercosul foi criado, os países do bloco aventam a possibilidade de criar uma moeda comum, mas nenhuma iniciativa nesse sentido foi concretizada devido às diferenças de políticas cambiais dos membros.

Neste momento, porém, os únicos que estariam negociando a nova moeda seriam Brasil e Argentina, deixando de fora, por enquanto, Uruguai e Paraguai.

Mais cedo nesta sexta, no Rio de Janeiro, Bolsonaro disse que a criação da moeda única pode ser uma trava a “aventuras socialistas” no continente

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou a proposta em uma rede social. "Será? Vai desvalorizar o real? O dólar valendo R$ 6? Inflação voltando? Espero que não." 

Indagado sobre a crítica de Maia, Mourão disse ser para descartar a ideia.

"Isso é uma coisa embrionária, né? Quais são os fundamentos? Eu acho leviano, por exemplo, de minha parte dizer 'isso não serve, isso não presta'. Eu não sei quais são os fundamentos", afirmou o vice-presidente.

O longo caminho até uma moeda única

União Europeia levou décadas para implementar o euro

1958 - Comunidade Econômica Europeia
A Comunidade Econômica Europeia é fundada treze anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial e foi o embrião da União Europeia (UE). Começou com seis países e tinha como objetivo reduzir as chances de conflitos criando dependência econômica entre os Estados-membro.

1979 - Lançamento do Sistema Monetário Europeu
Crises que atravessaram a década de 1970, como a do petróleo, em 1973, desafiaram as tentativas de estabilização econômica no pós-guerra. A resposta da União Europeia foi o Sistema Monetário Europeu (SME), que limitava as taxas de câmbio das moedas dos países de modo a evitar grandes flutuações entre elas.

1988 - Conselho Europeu confirma união monetária
Após quase uma década do SME, a UE decide pela União Econômica e Monetária (UEM). Um comitê ficou responsável por estudar e propor um plano para a unificação da moeda, o que foi feito em três etapas ao longo da década de 1990.

1991 - Tratado de Maastrich
O Tratado da União Europeia, aprovado em 1991 na cidade de Maastrich, determinou o que seria necessário para instituir a moeda única e estabeleceu a cidadania europeia, que permite a livre circulação e residência entre os cidadãos europeus de países da UE.

2002 - Euro entra em circulação
A circulação das moedas e notas de euro começou em 1º de janeiro de 2002, três anos depois de seu lançamento. Entre 1999 e 2002, a moeda era usada para pagamentos eletrônicos. Doze países da UE aderiram ao euro na época. Hoje o euro é a moeda oficial de 19 dos 28 Estados-membro.

Fontes: Banco Central Europeu e União Europeia

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.