Na esteira de Netflix e Spotify, games começam a migrar para serviços de streaming

Google, Amazon, Microsoft, Nvidia e Apple querem um pedaço desse mercado e correm para ver quem terá o melhor sistema

Fernanda Ezabella
Los Angeles

Enquanto personagens do Fortnite tomavam o mundo real e dançavam pelos corredores escuros do E3, Mario Bros e Sonic pegavam ondas num novo jogo inspirado nas Olimpíadas de Tóquio. Já nos bastidores do maior evento da indústria, outro assunto tomava conta das conversas: o futuro do videogame está nas nuvens.

Assim como filmes, seriados e músicas têm suas plataformas de streaming por assinatura como Netflix, Hulu e Spotify, os games começaram recentemente a migrar para serviços online similares, armazenados em servidores remotos (a tal nuvem).

Além de discos físicos e downloads de acervos digitais dos consoles, hoje é possível acessar via streaming e jogar partidas online com amigos do outro lado do planeta. Em breve, não será mais preciso nem dos consoles caros, atualizados de tempos em tempos, para os jogos de última geração. Tudo estará disponível na nuvem, mas por um preço.

“A evolução do mercado de entretenimento sempre caminhou para o streaming. Logo, a evolução tecnológica também permitirá essa mudança para o mercado de videogames”, disse à Folha Bertrand Chaverot, diretor geral da Ubisoft para a América Latina. “A expectativa é que isso ocorra entre um e cinco anos.”

Google, Amazon, Microsoft, Nvidia e Apple, assim como os próprios estúdios criadores de conteúdo, querem um pedaço desse mercado e correm para ver quem terá o melhor sistema. Antes do E3, o Google anunciou o Stadia, a ser lançado em novembro em 14 países (ainda sem Brasil). Haverá algumas dezenas de jogos disponíveis, a serem acessados via assinatura através de suportes variados (TV, smartphone, tablet, PCs). 

 
Visitantes na Electronic Entertainment Expo (E3), em Los Angeles
Visitantes na Electronic Entertainment Expo (E3), em Los Angeles - Xinhua/Qian Weizhong

“Todos os sistemas vão coexistir no início [...] Os consumidores vão descobrir essas novas ofertas e fazer suas escolhas com base na qualidade e diversidade dos conteúdos atreladas à simplicidade do serviço”, acredita Chaverot.

A própria Ubisoft, quarta maior produtora de games do mundo e conhecida pelas franquias “Assassin’s Creed” e “Just Dance”, vai entrar no streaming com uma parceria de distribuição com o Stadia. Além disso, seu sistema de assinatura mensal em download, chamado Uplay+, será lançado em setembro nos EUA.

O Brasil ainda não tem data para o Uplay+, mas tem para lançamentos de títulos: “Ghost Recon Breakpoint” (em 4/10), “Just Dance 2020” (5/11) e “Watch Dogs: Legion” (6/3/20). “O tremendo sucesso da Netflix no Brasil mostra o potencial desse tipo de assinatura em nosso país”, disse.

A Apple quer lançar sua plataforma Arcade neste ano, enquanto a Microsoft e a Sony, rivais nos consoles Xbox e PlayStation, fecharam uma parceria para streaming. No E3, a Microsoft fez um breve anúncio sobre seu novo console para o final de 2020, o Project Scarlett, e apresentou o sistema xCloud, que começa a ser testado em outubro, um mês antes do Stadia. Mas, por enquanto, será apenas para smartphones e tablets.

Em 2018, a indústria de games registrou vendas de mais de U$ 134 bilhões, incluindo US$ 43 bilhões só nos EUA, um crescimento de 18%, graças ao sucesso de jogos como Fortnite e gastos em smartphones e tablets.

Também ajudaram assinaturas de serviços como Xbox Game Pass, que dá acesso ao acervo de jogos para download, e o PlayStation Now e Nintendo Switch Online, que permitem partidas online com múltiplos jogadores.

Para Taylor Kurosaki, diretor de narrativa do novo “Call of Duty: Modern Warfare”, a indústria de videogame vive um momento de expansão, abrindo espaços para todos os tipos de jogos e plataformas. Prever o futuro fica difícil porque ninguém está ganhando ou perdendo. 

“Toda vez que você acha que sabe para onde os games estão indo, algo aparece para te surpreender”, disse Kurosaki à Folha. “Quando os consoles mais recentes foram lançados, especulavam que seria a última geração. Mas os consoles têm sido incríveis, a melhor geração de todas, e agora todo mundo está animado com os próximos.” 

Maior do setor, evento é dominado por jogos violentos “Call of Duty” foi um dos games pioneiros de simulação de tiro em primeira pessoa. O anúncio de um novo título estava entre os mais aguardados do E3 e foi, sem dúvida, um dos mais violentos.

Em “Call of Duty: Modern Warfare”, com lançamento previsto para outubro em PS4, Xbox One e PC, o jogador precisa desbaratar uma célula terrorista internacional. Uma das missões se passa num apartamento de Londres dos dias de hoje, após um ataque terrorista na cidade. 

Os criadores queriam trazer questões morais ao jogo, incluindo algum tipo de pontuação para danos colaterais, como quando o jogador atira num civil prestes a pegar uma arma (ou seria um bebê?).

“Estamos trabalhando nesses detalhes [de pontuação], mas nenhum ‘Duty of Call’ permite fogo amigo ou sair da linha, matando fora da missão. Não é um jogo de fantasia”, disse o diretor de narrativa.

O E3 terminou na quinta-feira e contou com mais de 200 exibidores. Um estudo do site GamesIndustry.biz mostrou que, dos 239 games apresentados, apenas 17 eram de grandes estúdios e poderiam ser considerados de não-violência.

“Talvez sem surpresa, o evento mais proeminente do calendário de games é dominado por violência”, escreveu o editor do site James Batchelor, que lidera um projeto de recomendações diárias de títulos sem combate para demonstrar que videogames vão além de matar.

Entre os lançamentos do gênero sem violência estavam jogos de esportes como Roller Champions, uma corrida maluca de patins numa pista inclinada, e a nova versão Fifa 20, com lançamento previsto para setembro. Entre as novidades do título de futebol, está o retorno das partidas de rua, ou “peladas”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.