Primeiros anúncios de relatório da Previdência assustam mercado, e Bolsa cai

Dólar e juros futuros também avançaram, reflexo do noticiário negativo

Tássia Kastner
São Paulo

A Bolsa brasileira recuou nesta quarta-feira (12), queda iniciada pelas primeiras divulgações do que deve mudar no texto da reforma da Previdência, no começo da tarde. A versão oficial do relator da comissão especial será conhecida nesta quinta (13).

Estados e municípios devem ficar de fora da reforma e os ajustes em idades de aposentadoria e regras de transição devem derrubar a economia prevista para R$ 850 milhões, abaixo do R$ 1,2 trilhão previsto inicialmente pelo governo Bolsonaro.

Duas informações que, juntas, tiraram o mercado da relativa estabilidade rumo ao campo negativo.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, cedeu 0,64%, a 98.320 pontos, se afastando das máximas da véspera. No pior momento, o índice chegou a perder quase 1%.

“O mercado estava sem graça, no zero a zero. Ontem [terça], tinha sido um dia bom. Na hora que ele [Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados] comentou a questão de governadores e prefeitos, caiu”, diz Alexandre Espírito Santo, da Órama Investimentos.

O exterior negativo também ajudou a conduzir a queda da Bolsa brasileira nesta quarta. Os principais índices globais cederam.

A situação fiscal de estados e municípios também preocupa investidores, e a inclusão desses servidores na reforma tem causado ruído político.

Com a definição de que eles não devem entrar nas novas regras, houve tanto uma preocupação com a questão orçamentária quanto uma sinalização de dificuldades políticas de negociação.

Já o valor da economia estimada causou desconforto, mas menor. Na prática, analistas do mercado financeiro contam com uma desidratação da magnitude anunciada, reflexo das concessões necessárias para a aprovação da reforma.

O dólar avançou, em magnitude semelhante à da Bolsa. Subiu 0,51%, a R$ 3,87. Os juros futuros também passaram por correção e subiram, após a forte queda da véspera.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.