Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Tratamento de Bolsonaro a Levy causa mal-estar entre integrantes da equipe econômica

Para membros do time de Guedes, mais adequado seria presidente comunicá-lo reservadamente e dar oportunidade para renúncia

Fábio Pupo Bernardo Caram
Brasília

A demissão do presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Joaquim Levy, causou mal-estar em parte da equipe econômica. Entre os integrantes do time de Paulo Guedes, há quem critique a forma como o presidente Jair Bolsonaro lidou com o processo.

A visão expressa é de que, independentemente do diagnóstico sobre o trabalho desempenhado por Levy à frente do banco, mais adequado seria o presidente tomar a decisão, comunicá-la reservadamente e dar oportunidade para o executivo pedir sua renúncia. Mas, em vez disso, Bolsonaro preferiu criticá-lo e ameaçá-lo de demissão publicamente.

É lembrado que Levy morava nos Estados Unidos até o ano passado e abriu mão de cargo no exterior ao aceitar o convite de Guedes para comandar o BNDES. Ele ocupava a posição de diretor financeiro do Banco Mundial em Washington.

Antes de passar pelo Banco Mundial, Levy foi ministro da Fazenda. Ele ocupou o cargo durante o governo de Dilma Rousseff (que resolveu substituir Guido Mantega em 2015 e indicar um nome mais próximo ao mercado). Antes disso, era executivo no Bradesco.

Para um membro do governo, a forma como Levy foi tratado nos últimos dias tem potencial inclusive de gerar resistência em eventuais convidados para o banco. A avaliação é de que técnicos experientes pensariam duas vezes antes de aceitar ficar sob o comando de Bolsonaro.

Apesar dessa visão, outra ala afirma que o clima é de tranquilidade e argumenta que a saída de Levy já seria, inclusive, esperada. Nos bastidores, havia incômodo principalmente com a resistência do BNDES em atender pedidos de Guedes para devolver recursos emprestados pelo Tesouro Nacional em governos anteriores. 

Apesar das demandas do ministro, há preocupação no banco com o impacto no capital e nos projetos da instituição em decorrência dessas devoluções. O Ministério da Economia quer o retorno de R$ 126 bilhões do banco aos cofres da União em 2019 e um total de R$ 271 bilhões até 2022. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.