Banco de bilionário mexicano recebe aval para comprar fatia de empresa de maquininhas

Inbursa, de Carlos Slim, poderá adquirir um terço da operação brasileira da Global Payments, define Cade

São Paulo | Reuters

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou sem restrições a compra de um terço da operação brasileira da empresa de maquininhas Global Payments pelo banco mexicano Inbursa, controlado pelo grupo do bilionário Carlos Slim.

A operação, segundo parecer do Cade, "não enseja em nenhum problema concorrencial, pois representa a entrada do banco Inbursa no segmento de credenciamento, além da eventual integração vertical não representar risco à concorrência".

A integração vertical citada pelo Cade se refere a uma eventual parceria entre a credenciadora e a operadora de telecomunicações Claro, também controlada pelo grupo de Slim.

O bilionário Carlos Slim durante conferência em El salvador - Jose Cabezas - 27.jun.2019/Reuters

Para o Cade, "uma eventual integração vertical entre a Claro e a Global Payments South America não se afigura significante, uma vez que a Claro deteria cerca de 24% no mercado brasileiro de telefonia móvel,

em termos de quantidade de celulares... Por outro lado, o mercado de credenciamento é caracterizado pela atuação relevante de Cielo e Rede, que juntas respondem por cerca de 60% a 80% das transações registradas no país".

A autarquia ainda citou que a participação de mercado da Global Payments South America foi estimada em menos de 10%, "com base em dados de 2017. Nesse sentido, a operação não gera a possibilidade de fechamento dos mercados verticalmente relacionados".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.