Bolsa bate recorde pelo terceiro pregão seguido

Descolada do exterior, Ibovespa sobe à espera da reforma da Previdência

São Paulo

A Bolsa brasileira bateu o recorde histórico pelo terceiro pregão seguido nesta segunda-feira (8). O Ibovespa operou descolado das principais Bolsas internacionais, com alta de 0,42%, a 104.530 pontos, nova máxima. O dólar acompanhou e fechou a R$ 3,809, queda de 0,31%. 

Desde quarta-feira (3), o índice reflete a expectativa de investidores de que a reforma da Previdência seja aprovada em plenário na Câmara antes do recesso parlamentar, que se inicia em 18 de julho, com quatro altas consecutivas. Segundo Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da casa, o projeto deve ser votado a partir desta terça (9).

Gráfico da Bolsa de Valores da São paulo
Bolsa bate novo recorde nesta segunda-feira (8) - Xinhua/Rahel Patrasso

A aprovação da reforma na Câmara ainda em julho pode surtir efeitos na economia ainda neste ano. Para o mercado, uma garantia de resolução do déficit fiscal pode atrair estrangeiros, desengavetar projetos e reduzir a taxa Selic, fatores que contribuem para a valorização do mercado de capitais.

Nesta segunda, o Ibovespa teve giro financeiro de R$ 12,5 bilhões, abaixo da média para o ano devido ao feriado em São Paulo nesta terça (9), no qual a Bolsa não opera.

A alta do Ibovespa, mais uma vez, foi fruto do otimismo doméstico. Em Nova York, os índices seguiram em baixa, após dados do mercado de trabalho americano divulgados na sexta (5) afastarem a possibilidade de um corte de 0,5 ponto percentual na taxa de juros dos Estados Unidos. Dow Jones recuou 0,4% e S&P 500, 0,5%. Nasdaq caiu 0,8%.

Na Ásia, a Bolsa de Tóquio recuou 1%, Hong Kong, 1,5%  e o índice CSI 300, que reúne as Bolsas de Xangai e Shenzhen, 2,3%. Na Europa, índices permaneceram estáveis.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.