Brasil cai duas posições em ranking de mais inovadores e agora é o 66º

País é o menos inovador entre os Brics e o quinto na América Latina e Caribe

Filipe Oliveira
São Paulo

O Brasil perdeu duas posições no ranking do Índice Global de Inovação

O país é agora o 66º mais inovador entre 129 estudados, segundo a Organização Mundial de Propriedade Intelectual, responsável pela análise anual junto com a Universidade Cornell (EUA), e o Insead. 

Com o resultado, o Brasil fica na última posição quando comparado com os demais membros do Brics (bloco de nações em desenvolvimento que também inclui Rússia, Índia, China e África do Sul).

A China, em ascensão, ocupa a 14ª posição e estava na 17ª no ano passado. Já a África do Sul, país do grupo mais próximo ao Brasil, foi da 58ª para a 63ª posição.


Quando considerada apenas América Latina e Caribe, o Brasil é o quinto mais inovador entre 19 analisados, atrás de Chile (51º), Costa Rica (55º), México (56º) e Uruguai (62 º ). 

O ranking é liderado pela Suíça, seguida por Suécia, Estados Unidos, Holanda e Reino Unido.


O IGI classifica 129 economias com base em 80 indicadores, que vão desde as taxas de depósito de pedidos de propriedade intelectual até a criação de aplicativos para aparelhos portáteis, gastos com educação e publicações científicas e técnicas.


Em análise sobre o Brasil dos responsáveis pelo índice aponta que o Brasil tem resultados melhores em relação a seus insumos para inovação do que nos resultados obtidos.

Porém, quando o país é avaliado pelo critério dos insumos, o Brasil caiu de 58º para 60º lugar entre os analisados. 

Quando se olha os resultados obtidos pelo país em termos de inovação, o Brasil fica na 67ª posição. No ano passado, estava em 70º.

Dos sete pilares analisados pelo índice, o Brasil foi considerado com notas altas em quatro deles: capital humano, infraestrutura para inovação, sofisticação dos negócios e produção de conhecimento. Foram apontados como pontos positivos a presença de empresas globais no Brasil e a escala do mercado local.

Os piores resultados do país estão relacionados aos pilares sofisticação de mercado, instituições e produtos criativos. Entre as fraquezas apontadas estão dificuldade para iniciar um negócio (106ª posição no mundo), aprendizado de matemática e leitura 64º), infraestrutura (102º), disponibilidade de crédito (105º) e capital de risco (61º)e aumento na produtividade do trabalho (96º).

A CNI (Confederação Nacional da Indústria)  e o Sebrae são parceiros na realização do ranking no Brasil.
 

Sueli Pereira, gerente-executiva de inovação da CNI, diz que a posição ocupada pelo Brasil no ranking não é compatível com o tamanho de sua economia, a 9ª maior do mundo.

"Quando olhamos á relação entre inovação e o PIB (Produto Interno Bruto), vemos que os países que investem acima de 2% dele em inovação  tem uma posição diferenciada.  O Brasil investe 1,2% de seu PIB."

Ela afirma que o avanço da inovação no país é necessário para que as empresas brasileiras se tornem competitivas e sobrevivam em meio a uma competição internacional cada vez mais acirrada.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.