Funcionários do Google ouvem gravação de cliente de seu assistente virtual

Empresa confirmou que emprega pessoas em todo o mundo para escutar pequena amostra de gravações

Sarah E. Needleman Parmy Olson
Nova York e Londres | The Wall Street Journal

O Google informou que funcionários terceirizados estão ouvindo gravações feitas por clientes no assistente virtual da empresa.

A revelação, feita em confirmação a uma reportagem de emissora pública belga, aumenta as preocupações sobre privacidade relacionadas a essa tecnologia.

A VRT NWS disse em uma reportagem nesta semana que a Alphabet (controladora do Google) contrata funcionários em todo o mundo para ouvir gravações de conversas que os usuários têm com o Google Assistente, que está disponível em seus alto-falantes Google Home e nos dispositivos Android.

Em uma postagem em blog nesta quinta-feira (11), o Google confirmou que emprega pessoas em todo o mundo para escutar uma pequena amostra de gravações.

A reportagem da emissora pública disse que as gravações potencialmente expõem informações confidenciais sobre os usuários, como nomes e endereços. Ela também disse que o Google, em alguns casos, grava as vozes de clientes mesmo quando não estão usando o Google Assistente.

Em seu post no blog, o Google disse que especialistas em idiomas ouvem 0,2% dos “trechos de áudio” tirados do Google Assistente para entender melhor os diferentes idiomas, sotaques e dialetos. 

“Essa é uma parte crítica do processo de construir tecnologia de voz e é necessária para criar produtos como o Google Assistente”, explicou a empresa.

Uma amostra de gravações de voz foi compartilhada por um funcionário com jornalistas da VRT News. O Google culpou um contratado desonesto por vazar o áudio de clientes holandeses, violando suas políticas de segurança de dados, e disse que está investigando o caso.

O Google Assistente é um dos vários dispositivos desse tipo que ajudam a organizar a vida computacional dos usuários. Amazon, Apple, Microsoft e Samsung também oferecem assistentes virtuais.

É prática comum os fabricantes gravarem e ouvirem parte do que seus usuários dizem para aperfeiçoar a tecnologia, afirmou Bret Kinsella, presidente-executivo da Voicebot.ai, empresa de pesquisa focada em tecnologia de voz e inteligência artificial.

“Em qualquer coisa que tenha reconhecimento de fala, você geralmente tem seres humanos em um ponto, escutando e anotando para resolver que tipos de erros estão ocorrendo.”

Em 2018, a Amazon reconheceu que um de seus alto-falantes domésticos Echo registrou por engano uma conversa privada e a enviou para uma pessoa na lista de contatos do proprietário.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.