Descrição de chapéu The New York Times

O Instagram está escondendo likes: isso reduzirá a ansiedade?

Mídia social começou com testes no Canadá e expandiu experiência para outros seis países

Mariel Padilla
The New York Times

Como seria o Instagram se as pessoas não pudessem ver o número de likes que as postagens dos usuários recebem?

Menos competitivo, menos pressionado e mais pessoal, a empresa supõe.

A plataforma de mídia social, que começou a testar essa teoria em maio no Canadá, esta semana expandiu a experiência para incluir usuários do Instagram em outros seis países. Como parte do teste, usuários da Austrália, Brasil, Irlanda, Itália, Japão e Nova Zelândia já não poderão ver a contagem de likes e de vídeos assistidos de outros usuários.

O Instagram deixou de mostrar a contagem de likes no Brasil
O Instagram deixou de mostrar a contagem de likes no Brasil - Loic Venance/AFP

Ainda poderão ver quem gostou do post alheio ou viu seu vídeo, mas não verão o número total. É claro que uma contagem manual continuará a ser possível, se os usuários quiserem e tiverem tempo para isso. E os responsáveis pelos posts ainda verão o total de curtidas e de visitas a eles em suas contas.

"Estamos expandindo o teste a fim de fazer uma ideia melhor de como a experiência ecoa com a comunidade mundial do Instagram", disse Seine Kim, porta-voz do Facebook, na quinta-feira (18). A empresa tomou o controle do Instagram em 2012.

A plataforma não ofereceu informações sobre os resultados dos testes no Canadá, e nem sobre a duração dos testes nos novos países. Não se sabe, igualmente, como a companhia está medindo os resultados.

No final de abril, Adam Mosseri, o presidente do Instagram, anunciou no evento anual da empresa para desenvolvedores que o teste começaria no Canadá.

"Não queremos que o Instagram pareça um lugar de competição", disse Mosseri no evento. "Queremos que as pessoas se preocupem um pouco menos sobre o número de likes que recebem e que dediquem mais tempo a se conectar com as pessoas de que gostam".

Na quarta-feira (17), Mosseri no Twitter anunciou a expansão do teste a seis outros países.

Os testes do Instagram surgem em um momento no qual as plataformas de mídia social, depois de anos de escrutínio, começam a testar seus sistemas de métrica. O YouTube mudou a maneira pela qual exibe números de assinantes em seus canais. E o Twitter já não reporta aos investidores seu número mensal de visitantes ativos.

A reação à expansão dos testes do Instagram foi contraditória. Alguns usuários, como o cantor Troye Sivan, responderam de forma positiva.

O australiano tem mais de 10 milhões de seguidores no Instagram e afirmou na quinta-feira via Twitter que estava "feliz por os jovens não basearem mais sua autoavaliação e avaliação de conteúdo em um número exibido na tela".

Rozanna Purcell, modelo irlandesa com quase 300 mil seguidores no Instagram, também recebeu positivamente a mudança.

"Recebo tantas mensagens de meninas de escola que dizem se sentir deprimidas e que elas não são boas porque suas amigas recebem mais likes do que elas", disse Purcell. "Temos coisas suficientes para servir de comparação em nossa sociedade e por isso abrir mãos dos números pode ser bom".

Mas nem todo mundo se empolga com o fim das contagens.

Adam Liaw, chefe de cozinha e escritor australiano que tem mais de 100 mil seguidores na plataforma, tuitou que via a mudança como "um grande erro", capaz até de levar à morte do Instagram.

"Acho também que essa mudança tem o objetivo de reduzir a influência dos influenciadores", ele tuitou.

"Eles estão vendo milhões e bilhões de dólares que gostariam de faturar sendo canalizados para promoções pagas que vão diretamente para usuários fora de seu ecossistema".

 The New York Times, tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.