Temos que ter livre-comércio com os EUA, mas com tarifas, diz Skaf

Presidente da Fiesp disse ter estranhado não ver americanos em leilões de infraestrutura no Brasil

Arthur Cagliari
São Paulo

Após encontro na tarde desta segunda-feira (29) com secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, o presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, defendeu um acordo com tarifas de livre-comércio entre Brasil e EUA.

"Temos que ter, sim, um acordo de livre-comércio, incluindo as tarifas. Pode ser discutido e ter um cronograma, mas tem de ter tarifa", afirmou ele.

Presidente da Fiesp, Paulo Skaf, e secretário do Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, em encontro em São Paulo
Presidente da Fiesp, Paulo Skaf, e secretário do Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, em encontro em São Paulo - Nelson Almeida/AFP

A discussão sobre uma possível parceria comercial entre os países surge um dia antes do secretário americano se encontrar com empresários brasileiros na Amcham (Câmara americana de Comércio para o Brasil). No encontro desta terça-feira (30), dez propostas para intensificar laços comerciais entre os países devem ser apresentadas.

Durante a reunião desta segunda-feira, Skaf também disse ao secretário que tem sentido falta da presença de empresas americanas em leilões de infraestrutura no Brasil.

"Disse que haveria muitas oportunidades no Brasil na área de infraestrutura para investimentos de companhias americanas. Disse até que tenho notado que nos últimos tempos as companhias americanas não só não têm participado de leilões, como têm desfeito de posições que tinham. Então alguma coisa estranha-se nisso."

O presidente da Fiesp afirmou também que detalhou a Ross o cenário macroeconômico do país, explicando como estão as reformas da Previdência e tributária, e sobre medidas de desburocratização.

"Ainda amanhã nós vamos ter um evento em Brasília sobre as NRs [normas regulamentadoras], que no fundo é uma burocracia exagerada."

E acrescentou: "Isso apenas atrapalha, trava e engessa as coisas".


 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.