ADM e Bunge dizem que não compram produtos de novas áreas desmatadas na Amazônia

Empresas utilizam satélites de monitoramento para garantir nova política

Chicago | Reuters

As comercializadoras de grãos Archer Daniels Midland e Bunge disseram nesta sexta-feira (30), em comunicados separados, que não compram produtos de novas áreas desmatadas na Amazônia e que utilizam satélites de monitoramento para garantir suas políticas.

A Bunge afirmou que está avaliando as informações disponíveis sobre número e localização dos incêndios existentes na Amazônia.

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que representa empresas como ADM e Bunge, apontou nesta semana que o plantio de soja nas dez cidades que mais reportaram incêndios neste ano é inexpressivo em relação à produção total da oleaginosa.

Segundo um estudo realizado pela entidade, os dez municípios com mais queimadas de janeiro a julho plantaram apenas 30 mil hectares na última safra, sendo 17 mil em Novo Progresso (PA), onde produtores participaram recentemente do chamado “dia do fogo”.

Além disso, Apuí (AM), cidade que mais registrou focos de incêndios na região, não possui cultivos de soja, enquanto Altamira (PA), segunda com maior índice de queimadas, conta somente com 2 mil hectares plantados com a oleaginosa.

A Abiove é uma das líderes da chamada Moratória da Soja, que impede a compra e financiamento pelas tradings de safras cultivadas na região amazônica após 2008.

O órgão admite que a soja ocupa uma área relativamente importante da Amazônia, mas cita que 98% do plantio realizado no bioma veio após a Moratória da Soja, em áreas desmatadas antes de o programa ter sido instituído.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.