Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro antecipa parcela do 13º a aposentados e pensionistas

O presidente assinou medida provisória que tornou a antecipação do pagamento uma política de estado

Bernardo Caram Gustavo Uribe
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta segunda-feira (5) medida que transforma em lei a antecipação de parcela do 13º salário para aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Segundo o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, a iniciativa vai liberar um montante de R$ 21 bilhões para 30 milhões de beneficiários em todo o país.

Entre agosto e setembro de todos os anos, aposentados e pensionistas receberão a antecipação de 50% do valor do benefício. Não será necessário comparecimento a uma agência do INSS. O pagamento será feito diretamente na folha do beneficiário.

0
O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento do programa ‘Médicos pelo Brasil’, que vai substituir o programa ‘Mais Médicos’, no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira/Folhapress

Por se tratar de uma medida provisória, a proposta tem validade imediata e haverá antecipação já neste ano. Ainda assim, o projeto exige o aval do Congresso, que analisará o texto e poderá fazer modificações.

De acordo com o porta-voz, a assinatura da medida torna a antecipação uma política de estado, com datas fixas para o pagamento.

“Essa medida, além de aquecer a economia, proporciona segurança e previsibilidade para os aposentados, que terão a garantia e a certeza de que receberão essa antecipação todos os anos”, disse.

A regra em vigor até agora permitia que o presidente escolhesse a data para o pagamento da parcela antecipada. A definição era feita por meio de decreto presidencial.

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, afirmou que a medida acaba com decisões tomadas por conveniência política.

“Desde 2006, os governos têm, em meses diferentes, em função de circunstância política, feito esse adiantamento. Antes, se fazia por decreto a depender da conveniência do presidente”, disse.

A medida provisória assinada pelo presidente ainda estendeu o prazo para atuação do pente-fino que busca irregularidades no INSS.

A regra em vigor definia que poderiam ser analisados processos que estavam pendentes de avaliação até janeiro deste ano. Agora, o escopo foi ampliado para junho deste ano.

De acordo com Marinho, o objetivo é zerar o estoque de análise dos processos e fazer com que cada novo requerimento seja respondido pelo INSS em menos de um mês.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.