Brasil está perto de fechar acordos com Singapura e Coreia, diz ministra

Segundo Teresa Cristina, acordo comercial com Singapura poderia ser fechado até o final do ano

Reuters

O Brasil está em negociações avançadas para fechar acordos comerciais com Singapura e Coreia do Sul, disse nesta terça-feira (27) a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, sem dar mais detalhes.

Em discurso durante uma conferência da indústria de carne em São Paulo, Tereza afirmou que o país é um produtor de alimentos eficiente e sustentável, buscando aumentar sua participação nas exportações mundiais de commodities agrícolas.

O acordo comercial com Singapura poderia ser fechado até o final do ano, disse ela.

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) - Rovena Rosa-26.ago.2019/Agência Brasil

Em meio a uma enxurrada de críticas no exterior por sua gestão dos incêndios que devastam a selva amazônica, o presidente Jair Bolsonaro havia anunciado na sexta-feira (23) o fechamento de um acordo de livre-comércio entre a EFTA (que reúne Noruega, Islândia, Liechtenstein e Suíça) com o Mercosul (Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai).

Nesta manhã, a primeira-ministra da Noruega, integrante da Associação Europeia de Livre-Comércio (EFTA, na sigla em inglês) que reúne os países não membros da UE, lamentou o "péssimo momento" do acordo comercial concluído com o Mercosul no contexto dos incêndios na Amazônia.

" É um péssimo momento, agora que a Amazônia está em chamas. Por outro lado, é um acordo que passamos anos tentando concluir, e o acordo apoia o objetivo de uma gestão sustentável da floresta tropical", acrescentou a chefe do governo norueguês, cujo país exerce a presidência rotativa do EFTA no segundo semestre do ano.

O anúncio deste tratado comercial chega no momento em que países como França e Irlanda ameaçaram bloquear o acordo de livre-comércio entre a União Europeia e o bloco sul-americano para protestar contra a gestão dos incêndios por parte da presidência brasileira.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.