Descrição de chapéu Reforma tributária

Brasil não tem perfil de país que aprova reforma, diz Mendes

Para pesquisador do Insper, oportunidade de aprovação não pode ser perdida

São Paulo

O Brasil não tem perfil de país que aprova reformas, por isso deve aproveitar a atual janela de oportunidade, disse o pesquisador do Insper Marcos Mendes nesta quinta-feira (8) em evento sobre cenários macroeconômicos promovido pelo banco BTG Pactual, em São Paulo.

"Países que deram certo e conseguiram vencer essas dificuldades têm um perfil comum. Infelizmente o Brasil não tem a característica desses países."

Segundo o pesquisador, as nações que conseguiram aprovar reformas são pequenas e não tem um mercado interno grande, como o Brasil.

"Eles tem que se abrir para o exterior. Qualquer perturbação na economia internacional, eles são perturbados. O Brasil é o contrário, é um país grande fechado voltado para dentro", disse Mendes.

O pesquisador afirmou também que esses países são caracterizados por formarem maiorias automáticas em seus parlamentos, por possuírem um sistema unicameral (só tem uma Casa no Legislativo, o Brasil possui Câmara e Senado) e ainda por ter coesão social.

"Sociedade mais desigual traz desconfiança na população. Se eu desconfio que você está querendo me passar a perna, fica difícil passar alguma reforma."

Além disso, há a questão da violência, que gera mais insegurança, segundo Mendes. Apesar disso, ele disse acreditar que esse momento ao qual o país se encontra não pode ser desperdiçado.

"O desafio é grande. Nós estamos em um momento de janela da oportunidade que não podemos perder."

Uma vez nessa situação, o pesquisador afirmou que o país precisa encarar a agenda de reformas e não pode ficar discutindo o que vem antes e o que vem depois. 

"Nós não podemos nos dar ao luxo de escolher. Nós precisamos insistir nas reformas. Não deu para fazer uma, passamos para a outra", disse. 

"Mais importante ainda: não podemos nos dar o luxo de errar. De 2005 a 2015 nós demos o luxo de errar."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.