BTG perde um terço do valor de mercado após operação da Lava Jato

Circulação de documento anônimo desencadeou queda dos papéis na Bolsa; banco nega irregularidades

São Paulo

As units (grupo de ações) do BTG Pactual recuaram 18,4% nesta segunda-feira (26), ampliando o tombo provocado na sexta-feira (23) pela 64ª fase da Operação Lava Jato, que fez busca e apreensão de documentos na instituição.

Nos dois dias, o banco perdeu R$ 18 bilhões, ou quase um terço de seu valor de mercado. Os papéis fecharam o pregão cotados a R$ 46,46. 

As ações chegaram a ensaiar recuperação no começo da manhã desta segunda, mas voltaram a cair após a circulação de um documento que faz parte do processo da operação de sexta.

Units do BTG Pactual despencam depois que dono do banco, André Esteves, foi alvo de mandado de busca e apreensão da Lava Jato - Bruno Santos - 5.abr.2019/Folhapress

O arquivo é resultado de uma denúncia anônima feita em 2016 por uma pessoa que se disse ligada ao banco. Nele, são detalhados supostos esquemas de lavagem de dinheiro do BTG. A denúncia afirma que o banco teria um departamento de propinas, semelhante ao da Odebrecht.

Procurado, o BTG afirmou em nota que a notícia é absurda e negou irregularidades.

“Esclarece ainda que as operações mencionadas são fantasiosas e jamais poderiam ter sido sequer registradas nos sistemas de negociação existentes no Brasil e nunca teriam passado despercebidas pelas diversas auditorias e reguladores a que o BTG Pactual se submete”, disse o banco em nota.

Durante a 64ª fase da Lava Jato, na sexta, a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão contra ex-presidentes da Petrobras, Graça Foster, e do BTG Pactual, André Esteves. Quando há busca e apreensão, a polícia busca documentos para aprofundar investigações em curso e localizar provas.

O noticiário negativo foi agravado ainda por um boato. Parte do mercado associou o banco à investigação anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro durante a manhã. 

À jornalistas, Bolsonaro afirmou que “está para estourar um problema, um problema não, uma falsa acusação, [contra] uma pessoa importante que tá do meu lado".

Participantes do mercado e usuários de redes sociais conectaram a fala ao ministro da Economia, Paulo Guedes e ao BTG.

Procurado, o BTG afirmou que “Paulo Guedes foi um dos fundadores do Banco Pactual. Atuou na instituição entre 1983 e 1998, e não mantém vínculos com o banco após essa data”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.