Com balança pior e remessas, déficit externo dispara

Valor é maior rombo para julho desde 2014, quando chegou a US$ 10,317 bilhões

Brasília | Reuters

O Brasil teve déficit em transações correntes de US$ 9,035 bilhões em julho, pior dado para o mês em cinco anos, afetado pela balança comercial mais fraca e pelo aumento das remessas líquidas de lucros e dividendos.

O dado, divulgado pelo Banco Central, frustrou a expectativa de déficit de US$ 5,9 bilhões, conforme pesquisa Reuters. Foi o maior rombo para julho desde 2014, quando chegou a US$ 10,317 bilhões.

Já os investimentos diretos no país somaram US$ 7,658 bilhões, acima da projeção de de US$ 7 bilhões, após um resultado fraco registrado em junho, quando o ingresso foi de apenas US$ 2,190 bilhões.

Em julho, houve salto na remessa líquida de lucros e dividendos para o exterior, para US$ 3,132 bilhões, ante US$ 1,036 bilhão no mesmo mês do ano anterior.

A balança comercial sofreu queda de 54,8% na mesma base de comparação, para US$ 1,602 bilhão.

A despesa líquida com viagens internacionais ficou estável em US$ 1,3 bilhão, informou o BC.

De janeiro a julho, o déficit em transações correntes alcançou US$ 21,683 bilhões, crescimento de 76,8% sobre igual período do ano passado e já acima da expectativa que havia sido divulgada pelo BC para o ano, de um rombo de US$ 19,3 bilhões. A projeção foi feita em junho e será revisada pela autoridade monetária em setembro.

Em 12 meses, o déficit em transações correntes chegou a US$ 24,392 bilhões, equivalentes a 1,31% do PIB, salto em relação ao mês anterior, quando o patamar era de 1,06% do PIB, e pior patamar desde janeiro de 2017 (1,32%). 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.