Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Copagaz assina contrato com Bolívia e será 1ª importadora de gás de cozinha

Contrato prevê a importação de 72 mil toneladas por ano; volume equivale a 1% do consumo nacional

Nicola Pamplona
Rio de Janeiro

Quinta maior distribuidora de gás de botijão do país, a Copagaz será a primeira empresa privada a importar gás de cozinha para o mercado brasileiro, atualmente dependente da Petrobras. A empresa assinou contrato para trazer o combustível da Bolívia para abastecer estados da região Centro-Oeste.

A possibilidade de importações privadas foi criada com mudanças na política de preços da Petrobras, alinhado o valor do GLP (gás liquefeito de petróleo, como o produto é chamado) a cotações internacionais e reduzindo a diferença de preços de venda a consumidores residenciais e industriais.

O contrato prevê a importação de 72 mil toneladas por ano. O volume equivale a apenas cerca de 1% do consumo nacional, mas representa cerca de 1/3 das vendas em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, para onde as importações bolivianas serão direcionadas.

Com 9% do mercado nacional de GLP, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), a Copagaz tem forte presença na região Centro-Oeste e é apontada como uma das candidatas à compra da Liquigás, subsidiária da Petrobras para o setor, em parceria com a Itausa.

"Como líderes na distribuição de GLP na região [Centro-Oeste], sabemos o quanto é complexo depender exclusivamente do abastecimento pelas refinarias do Sudeste e conseguimos encontrar uma alternativa bastante concerta", disse em nota enviada à Folha o gerente de Suprimentos e Compras da empresa, Marcos Paulo Ferraz.

O volume contratado com a Bolívia representa cerca de 12% das vendas da Copagaz. A empresa já havia tentado importar GLP em 1998, mas o projeto esbarrou na falta de acesso à infraestrutura portuária para trazer o produto do exterior.

Os terminais existentes pertencem à Petrobras, que importa um volume equivalente a 30% do consumo nacional para complementar a produção em suas refinarias ou unidades de tratamento de gás. O GLP importado da Bolívia, porém, chegará ao Brasil por caminhões.

O país vizinho investiu nos últimos anos para industrializar sua produção de gás natural, extraindo outros produtos, como o GLP. O contrato garante aos bolivianos um mercado para o excedente de produção, disse o presidente da petroleira estatal boliviana YPFB, Oscar Javier Barriga à agência oficial de informações daquele país.

"A Copagaz tem autorização para importar GLP desde 1998, mas não importava porque o preço era muito subsidiado. Agora, com a nova política de preços da Petrobras, os preços estão se alinhando", comentou o consultor Adriano Pires, do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura).

Desde 2003, a Petrobras pratica preços diferentes dependendo do tamanho do vasilhame - o valor é mais barato para botijões de até 13 quilos, mais usados em residências. No início de agosto, a estatal anunciou mudanças em sua política, reduzindo a diferença.

De acordo com o Sindigás (Sindicato das Empresas Distribuidoras de GLP), a diferença atual está em torno de 5%. Nos períodos mais críticos, chegou a 30% ou 40%. "A nova política é decisiva [para as importações privadas]", disse o presidente da entidade, Sergio Bandeira de Mello.

O executivo diz que as importações da Copagaz são um primeiro passo e podem ser seguidas por outras empresas. Ele destaca, porém, que a falta de acesso a infraestrutura portuária deveria estar no foco das discussões sobre o setor para permitir acesso de importadores privados a outros mercados.

O setor reclama que a ANP vem focando sua atuação em mudanças regulatórias para permitir abastecimento parcial e botijões e enchimento de botijões de outras marcas. A agência defendem que as medidas reduziriam o preço ao consumidor, mas as empresas alegam que causa insegurança sem efeitos significativos sobre os preços.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.