Eletrobras deve ser privatizada rapidamente, diz Maia; ação bate recorde

Papéis da companhia sobem mais de 12% e atingem máxima histórica

Danielle Brant
Brasília

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira (21) que vai tentar votar o mais rápido possível o projeto de lei sobre a privatização da Eletrobras, mas ressaltou que o empenho depende de o governo enviar nova proposta.

Maia e o ministro Paulo Guedes (Economia) falaram após participarem de reunião na manhã desta quarta com o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) e líderes de partidos políticos. Com a afirmação, as ações da Eletrobras disparam na Bolsa e atingem a máxima histórica.

Logo da Eletrobras
Ações da Eletrobras disparam na Bolsa brasileira com perspectiva de privatização - REUTERS

As declarações foram feitas um dia após medida provisória que facilitava a venda da elétrica ser derrubada no Congresso. A proposta previa repasses de R$ 3,5 bilhões à Eletrobras. Os valores, a serem pagos até 2021, seriam uma forma de reembolsar a estatal por despesas de suas distribuidoras de energia no passado.

Maia disse que deve haver uma nova reunião com Bento Albuquerque e com deputados para construir um projeto sobre a venda da elétrica. “Vamos trabalhar para que seja [enviado] o mais rápido possível”, disse. “Agora, o mais rápido de forma organizada para que facilite sua tramitação.”

O parlamentar reconheceu, no entanto, que é uma decisão do governo enviar o projeto. “Se o governo encaminhar, terá prioridade”, disse. “Se vamos construir um marco de negociação com o parlamento, é bom que o governo encaminhe descrevendo o que significa essa privatização da Eletrobras nas regiões em que o sistema será afetado.”

Segundo o presidente da Câmara, é importante explicar aos deputados que o setor privado vai investir na área, que haverá forte regulação, e que parte dos recursos da venda serão destinados aos estados da região onde o sistema Eletrobras existe.

“Já me empenhei no passado, nós vamos nos empenhar novamente. A questão é que é importante mostrar que os recursos necessários para o sistema Eletrobras estão sendo retirados dos investimentos em educação, saúde, infraestrutura”, disse.

Maia defendeu que os R$ 16 bilhões que a estatal precisa investir todos os anos sejam assumidos pelo setor privado. “A gente está deixando de investir na melhoria da qualidade de vida porque a gente precisa que a Eletrobras pelo menos mantenha o mesmo nível de investimento.”

Já Guedes afirmou que, se a elétrica não conseguir manter o ritmo de investimentos, vai “colapsar.” “É uma empresa que está lutando para crescer.” 

Por volta das 13h02, os papéis ordinários (com direito a voto) da companhia sobem 13,3%, a R$ 45,38. Os preferenciais têm alta de 11%, a R$ 44,70. O Ibovespa sobe 1,35%, a 100 mil pontos.

"É esperado que a privatização da Eletrobras seja realizada ou nos moldes propostos no governo Temer, com uma capitalização e depois privatização ou mesmo com uma diluição da participação do governo em bolsa de valores, como foi feito com a BR Distribuidora. Em todo caso, a noticia é positiva para a estatal, que deve ter o seu processo de privatização finalizado no início de 2020", afirma relatório da Guide Investimentos.

A companhia é uma das 17 estatais que o governo federal pretende privatizar este ano, segundo lista que circula entre empresários.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.