XP Investimentos é inocentada pela CVM por falhas em registros de clientes

Amostra de ordens colhida pela acusação não seria suficiente para concluir que sistema era inadequado

Diego Garcia
Rio de Janeiro

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) absolveu a XP Investimento e seu sócio-fundador Guilherme Benchimol de acusação de falhas nos registros de ordens transmitidas por clientes a agentes autônomos que atuam para a corretora.

O diretor da CVM Gustavo Gonzalez votou pela absolvição dos acusados pois acredita que "os intermediários se desincumbem das obrigações de registro e arquivamento de ordens mediante a implementação de controles efetivos". 

Guilherme Benchimol, sócio-fundador da XP Investimentos - Joel Silva-10.ago.2018/Folhapress

O diretor acrescenta em seu voto que a amostra de ordens colhida pela acusação não seria suficiente para concluir que os sistemas de registro e arquivamento de ordens da corretora eram inadequados.

Com base no voto de Gonzalez, o colegiado da CVM votou, por maioria, na absolvição da XP Investimento e de Guilherme Benchimol.

Em fevereiro, a XP informou que o processo se referia a uma auditoria realizada em 2016, que selecionou 48 ordens em três escritórios. Em um deles, a CVM teria encontrado falhas na formalização dos registros de 7 ordens, obtidas com o cliente após a execução.

Na ocasião, a empresa se defendeu em nota dizendo que não houve nenhuma reclamação ou prejuízo por parte dos clientes nem qualquer problema sistêmico, havendo apenas uma falha pontual, já corrigida.

Procurada, a XP não se manifestou até a publicação desta reportagem.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.