Brasil inicia negociações de livre comércio com México

Brasil espera aumentar o comércio de produtos agrícolas com mexicanos, diz Troyjo

São Paulo e Brasília | Reuters

Brasil e México iniciaram negociações para um acordo de livre-comércio, numa tentativa de aprofundar os laços entre as duas maiores economias da América Latina num momento em que tensões comerciais ameaça o crescimento global.

O secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, disse nesta segunda-feira (9) o que o Brasil iniciou formalmente as negociações com o México, que recentemente ratificou um novo pacto comercial com EUA e Canadá em substituição ao Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês).

O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento da ID Estudantil, no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira/Folhapress

O secretário afirmou que o México tinha tradicionalmente foco no comércio com seus parceiros de Nafta, mas que deseja diversificar. Ele acredita que o Brasil poderá exportar mais produtos agrícolas para o México, economia número 2 da América Latina.

"Tivemos conversas para ver de que forma podemos avançar em direção à liberalização, mas ainda não decidimos qual caminho tomar", disse a pasta em um comunicado. "Mas estamos trabalhando nisso."

Já vigora hoje um acordo de livre-comércio de carros e autopeças entre Brasil e México. Em março deste ano, o governo Jair Bolsonaro aceitou a retirada de cotas de exportação e importação entre os dois países, o que gerou críticas de produtores brasileiros que temiam perder mercado.

O México é o oitavo principal destino das exportações brasileiras. No acumulado do ano até agosto, US$ 3,18 bilhões foram destinados ao país. A nação da América do Norte, por outro lado, vendeu US$ 2,87 bilhões ao Brasil no mesmo período --7º lugar no ranking.

As negociações com o México representam o mais recente capítulo nos esforços do Brasil para abrir sua economia. O Brasil também já iniciou conversas por um acordo comercial com os EUA e acredita que um acordo entre a UE e Mercosul será ratificado.

As tratativas caminham para um acordo amplo de livre-comércio, mas o governo avalia que o Brasil pode ter grande benefício no setor agropecuário.

A expectativa dos representantes governo brasileiro é que a assinatura do acordo faça com que o México substitua parte dos produtos que compra dos Estados Unidos por insumos do Brasil.

De acordo com um dos negociadores, caso a conversa com os mexicanos caminhe para um acordo que envolva redução de tarifas e criação de cotas de importação e exportação, será necessário envolver todos os membros Mercosul na assinatura.
Nesse contexto, o quadro político na Argentina gera preocupação no governo. Isso porque eventual derrota do liberal Mauricio Macri nas eleições deste ano e chegada ao poder de uma gestão mais protecionista poderia atrasar o andamento das negociações.

O comércio entre Brasil e México figura abaixo dos volumes desejados, disse Troyjo.

 

*Colaborou Bernardo Caram

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.