Descrição de chapéu

Corte na verba da pesquisa é um risco para a saúde do agronegócio brasileiro

País está em alerta para problemas, mas não estaria preparado financeiramente para uma eventual catástrofe na agropecuária

Mauro Zafalon
São Paulo

Nenhum país tem risco zero quando se trata da chegada de novas pragas e doenças na agropecuária. O sistema de defesa, porém, tem de ser eficiente para prevenir ou evitar males maiores.

O Brasil está nessa rota de perigo. Um dos principais fornecedores de alimentos para o mundo, tem um aumento significativo do fluxo de mercadorias, de pessoas, de navios e de outros tipos de transporte que atravessam suas fronteiras diariamente.

Tudo isso contribui para a chegada desses novos patógenos (agentes de enfermidade), que testam continuamente o sistema de vigilância fitozoossanitário do país.

País está em alerta para problemas, mas não estaria preparado financeiramente para uma eventual catástrofe na agropecuária - Gabriel Cabral/Folhapress

O Brasil, de uma forma geral, está em constante alerta para esses problemas, mas não estaria preparado financeiramente para uma eventual catástrofe na agropecuária.

Uma praga ou uma doença, dependendo da extensão, levaria anos para ser solucionada com muito investimento.

O caso mais recente no mundo é o da peste suína africana na China. Maior produtor e consumidor mundial de carne de porco, o país se viu obrigado a dizimar menos metade rebanho, que tinha 500 milhões de cabeças.

O país só deverá se recuperar dos efeitos da doença em oito ou dez anos.

Os custos incluem abate dos animais infectados, ressarcimento a produtores, compensações para indústrias e, principalmente, investimentos em pesquisas para a retomada sadia do rebanho.

É nesse ponto que o Brasil teria muita dificuldade. A situação econômica do governo federal e dos estados está promovendo um desmonte da pesquisa no Brasil.

Institutos centenários e com larga tradição em desenvolvimento no setor —mesmo os localizados em estados considerados ricos—, estão sendo desmobilizados.

A própria Embrapa, propulsora de boa parte dos avanços da agropecuária brasileira há quatro décadas e líder em tecnologia da agricultura tropical, começa a ter dificuldades até para manter projetos de baixo investimento, devido à escassez de recursos.

O Brasil já provou dessas desgraças agropecuárias. Duas culturas foram largamente afetadas no país há alguns anos: algodão e cacau.

No caso do algodão, a entrada do bicudo pelo aeroporto de Campinas, segundo algumas pesquisas, devastou a cultura. Só agora o Brasil volta a ter destaque no cenário internacional com esse produto.

Outra impacto nas lavouras brasileiras veio com a ferrugem da soja. Com efeito devastador, essa doença se alastrou rapidamente pelo país e traz prejuízos anuais de US$ 2 bilhões por ano aos produtores.

A Embrapa tem hoje o quinto maior banco de germoplasma (sementes e genética animal) do mundo.

Considerando uma hipótese pouco provável —uma catástrofe total em uma das culturas vegetal ou animal brasileiras—, a empresa levaria vários anos para uma recomposição desse setor.

Com base em pesquisas feitas durante essas quatro décadas e utilizando dados de seu banco genético, a reprodução total da vida animal poderia levar até sete ano. No caso de plantas, como a soja, esse período poderia ser de pelo menos cinco anos.

Com a globalização e tantas possibilidades de novas doenças e pragas na agropecuária mundial, o importante para o país é uma identificação rápida do problema e a obtenção de um diagnóstico certo por veterinários e técnicos.

O problema é que o país tem pouca estrutura em laboratórios preparados para essas avaliações. E os inimigos ameaçam constantemente. Podem afetar plantas, aves, suínos e bovinos.

Entre essas ameaças estão a gripe aviária, a peste suína e até a doença da vaca louca. Qualquer uma delas provocaria uma desestruturação muito grande no sistema brasileiro de produção. Um eventual problema com a soja, principal cultura brasileira, provocaria estragos ainda maiores.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.