Petróleo recua enquanto mercado avalia consequências de ataque sobre sauditas

Óleo chegou a subir 20% na segunda-feira

Londres | Reuters

Os contratos futuros do petróleo caíam nesta terça-feira (17), mas com suspense no mercado devido à ameaça de retaliação após os ataques sobre instalações de petróleo da Arábia Saudita que reduziram pela metade a produção do país e provocaram um aumento de preços que não era visto há décadas.

Os ataques de sábado provocaram um grande choque sobre a oferta em um mercado que nos últimos meses se preocupava com a demanda e com o crescimento global fraco. O petróleo chegou a subir 20% na segunda-feira.

O petróleo Brent recuava US$ 1,04, ou 1,51%, a US$ 67,98 às 10h03 (horário de Brasília).O petróleo dos Estados Unidos caía US$ 0,91, ou 1,45%, a US$ 61,99 por barril.

Incêndio na sede da Aramco, em Buqayq, na Arábia Saudita
Incêndio na sede da Aramco, em Buqayq, na Arábia Saudita - Reuters

Mais cedo, ambos os contratos de referência chegaram a cair 2%.

Logo após os ataques, a produtora estatal Saudi Aramco disse a algumas refinarias asiáticas que cumprirá seus compromissos de petróleo, embora possivelmente com algumas mudanças, disseram fontes.

Mas não foi dado um cronograma específico para a retomada da produção total do país, que é o maior exportador de petróleo do mundo e, geralmente, o fornecedor de última instância.

O ministro da energia saudita, o príncipe Abdulaziz bin Salman, realizará uma entrevista coletiva às 14h (horário de Brasília).

"Todos os olhares estarão voltados para a coletiva de imprensa saudita", disse Samuel Ciszuk, sócio fundador da ELS Analysis, de Estocolmo.

"Precisamos de uma avaliação adequada dos danos, e então precisamos ver um plano de recuperação. Antes disso, não sabemos realmente quanto petróleo ficará fora (do mercado) e por quanto tempo, e essa é a pergunta básica que as pessoas têm feito desde sábado".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.