Postos de gasolina subiram preço antes de anúncio da Petrobras

Levantamento de consultoria comparou preços praticados na terça (17) com os da sexta (13)

Nicola Pamplona
Rio de Janeiro

Levantamento feito pela consultoria Triad Research reforça suspeitas de que alguns postos de combustíveis se adiantaram ao anúncio de reajustes da Petrobras, conforme denúncias de consumidores esta semana, repetidas na quinta (19) pelo presidente Jair Bolsonaro.

A pesquisa coletou dados de 16.712 postos pelo Brasil, o equivalente a cerca de 40% do total de revendedores de combustíveis do país. Destes, 3.899 (ou 23%) aumentaram o preço da gasolina no início da semana, após alta das cotações internacionais do petróleo provocada por ataques na Arábia Saudita.

Entre os que aumentaram, 621 (ou 3,15% da amostra total) fizeram reajustes superiores a R$ 0,20 por litro, valor alto até mesmo quando há reajustes nas refinarias. A pesquisa identificou ainda 3.529 postos que reduziram preços, o equivalente a 21%. No restante, não houve alterações.

Os preços dos combustíveis são livres no país, mas a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) intensificou fiscalizações em parceria com Procons estaduais após as primeiras denúncias de aumentos abusivos.

Na segunda (16), o barril do tipo Brent havia subido 13%, a maior alta diária desde o fim de 2008, em resposta ao corte de 5,7 milhões de barris na capacidade de produção saudita. Foi a maior suspensão de produção da história, superando o segundo choque do petróleo, no fim dos anos 1970.

Postos de gasolina na região central de São Paulo - Gabriel Cabral - 15.abr.19/Folhapress

A Petrobras, porém, informou no fim daquela noite que esperaria antes de definir por reajustes nos preços internos, com o objetivo de não repassar volatilidades ao consumidor. Apenas na quarta (18), a estatal anunciou aumento de 3,5% no preço da gasolina e de 4,2% no preço do diesel.

O levantamento da Triad comparou os preços praticados na terça com os da sexta anterior. Entre os postos pesquisados, 3.277 (ou 19,6%) promoveram reajustes de até R$ 0,20 por litro. Outros 465 elevaram seus preços entre R$ 0,20 e R$ 0,40 por litro. Já em 156, o aumento foi superior a R$ 0,40 por litro.

O diretor da consultoria, Miguel Santos, diz, porém, que não é possível afirmar que os reajustes foram promovidos em função das cotações internacionais do petróleo.

Na quinta, Bolsonaro reclamou dos aumentos em sua live semanal. “Ontem mesmo, em Brasília, antes desse anúncio da Petrobras, que foi no final da noite, alguns postos subiram [os preços em] 5%, levando-se em conta o ataque de drones à refinaria lá na Arabia Saudita”, disse.

“Isso para mim é um abuso. A gente vai para cima deles, tudo que estiver de acordo com a lei, puder defender o consumidor, nós faremos”, completou o presidente, afirmando que vai pedir investigações ao MME (Ministério de Minas e Energia).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.