Risco de recessão resgata debate sobre 'estagnação secular' nos países ricos

Lançada em 1930 e revisitada brevemente na crise de 2008, teoria diz que crescimento tem limite

Érica Fraga
São Paulo

Em 2013, cinco anos após a eclosão da crise financeira global que empurrou o mundo em uma recessão, o economista Larry Summers ressuscitou a ideia de que os países desenvolvidos flertavam com uma "estagnação secular".

Após causar certo furor --o conceito sugere uma espécie de doença econômica, que condena países a crescimento baixo e instabilidade--, o debate provocado pelo ex-secretário do Tesouro americano perdeu força, na esteira de um ensaio de recuperação global em meados desta década.

Recentemente, porém, sinais de que as nações ricas podem estar caminhando para uma nova recessão trouxeram a discussão de volta aos holofotes.

Cunhado na década de 1930 pelo economista Alvin Hansen, o termo "estagnação secular" descreve um forte aumento na tendência a poupar recursos, que derruba os juros, mas é incapaz de animar os empresários a investir.

Presa nessa camisa de forças de poupança elevada e baixo investimento, a economia passa a crescer de forma cronicamente débil. A inflação não reage a estímulos monetários --como cortes de juros--, e a expectativa de que os preços caiam mais retroalimenta a tendência da população a poupar.

"A estagnação secular se refere à ideia de que, sem medidas financeiras artificiais, a economia provavelmente crescerá devagar e com inflação inadequada, é como se ela sofresse de uma falta de adrenalina", disse Summers à Folha (leia trechos da entrevista).

Quando o economista, que é professor da Universidade Harvard, levantou a hipótese em 2013, a discussão teve apelo, dada a realidade decepcionante do ritmo de retomada pós-crise.

Depois de contrações de, respectivamente, 0,2% e 3,6% em 2008 e 2009, o PIB (Produto Interno Bruto) das economias ricas do chamado G7 --Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido-- esboçou uma reação ao crescer 2,8% em 2010.

Três anos depois, porém, o dado parecia representar um soluço. Entre 2011 e 2013, a expansão média do grupo minguara para 1,5% ao ano, bastante inferior aos 2,3% de crescimento anual dos anos pré-crise.

O pessimismo dessa fase foi sucedido por uma espécie de trégua em anos recentes, quando principalmente os Estados Unidos pareciam sair do atoleiro. O país cresceu perto de 3%, em 2015, seu melhor resultado em uma década.

O problema é que, além de esse ritmo não ter sido novamente mantido, a economia dos outros países ricos voltou a afundar. Recessão é a palavra do dia na pauta econômica.

O temor ganhou força depois de o mercado financeiro indicar esse risco por meio de suas transações no mercado futuro de juros. Em agosto, pela primeira vez desde 2007, as taxas dos papéis do governo americano com vencimento em dez anos chegaram a ficar abaixo da remuneração dos títulos com prazo de dois anos.

Conhecido como "inversão da curva de juros", esse movimento costuma preceder recessões. Investidores tendem a cobrar mais para emprestar dinheiro a governos --por meio de compras de títulos públicos-- no longo prazo, porque o futuro sempre envolve mais riscos que o presente.

Quando essa lógica se quebra, é sinal de que os agentes econômicos preveem um evento grave, que forçará o governo a reduzir os juros mais para a frente.

Em cenários assim, investidores e consumidores tendem a se tornar mais cautelosos, reduzindo suas decisões de gastos. Recentemente, esse contexto abriu espaço para a volta do debate sobre estagnação secular.

Uma questão suscitada pela atual fraqueza da atividade é se a nova desaceleração seria parte das oscilações normais do ciclo econômico ou a manifestação de um problema estrutural de longo prazo.

Em um discurso feito em 1938, Hansen afirmou que a essência da estagnação secular são "recuperações doentes que morrem em sua infância e depressões que se autoalimentam". Segundo ele, essa seria a tendência da economia americana durante a crise dos anos 1930.

Para muitos, Hansen errou. O país não apenas superou a depressão, como entrou em um ciclo longo e virtuoso de crescimento em seguida. "Os pressentimentos de Hansen se provaram bastante equivocados", registrou a revista britânica The Economist, em artigo sobre o tema em 2014.

Summers discorda. "Acho que estagnação secular era um termo apropriado quando foi cunhado nos anos 1930 por Alvin Hansen. Se não fosse pela massiva injeção de gastos associados à Segunda Guerra Mundial, acho que a economia teria estado em depressão por um período muito longo", disse o economista à Folha.

Segundo ele, nos anos 1930, eram verificados um nível muito alto de poupança e uma pequena propensão ao investimento. A combinação dessas tendências colocou uma tremenda pressão sobre os juros para baixo, dificultando o reequilíbrio da economia.

O que reverteu o quadro, na época, afirma Summers, foi a absorção de "uma grande parcela da poupança, com empréstimos governamentais", o que só ocorreu por causa da guerra. Ou seja, convertido em gastos, o endividamento público impulsionou um novo ciclo de crescimento.

Posteriormente, o início da segunda metade do século passado contou com outros fatores que impulsionaram enormes ganhos de eficiência nos países ricos, como inovações e a expansão da escolaridade.

Mas a tendência das décadas mais recentes tem sido de forte desaceleração da produtividade nos países ricos, causada por uma série de fatores.

O economista Robert Gordon, da Universidade Northwestern, identifica em seus estudos que a era de avanço tecnológico excepcional, ocorrida aproximadamente entre 1940 e 1970, ficou para trás.

 

Gordon tem chamado a atenção ainda para o fim da chamada revolução educacional, com incrementos cada vez menores nos níveis de escolaridade.

O envelhecimento populacional é outro fator que preocupa. Além de ser acompanhado por uma redução da força de trabalho, o aumento na parcela de idosos tende a elevar a poupança para a aposentadoria.

A maior desigualdade de renda em países ricos também tem sido investigada. Enquanto os ganhos adicionais dos mais pobres tendem a ser direcionados ao consumo, o rendimento extra dos mais ricos é destinado principalmente à poupança.

O pesquisador Braulio Borges, da LCA Consultores e da FGV/Ibre, ressalta que há mais de uma explicação factível para a dificuldade de crescimento vigoroso nos países desenvolvidos.

Uma tese convincente, diz ele, é a do economista Kenneth Rogoff, também de Harvard, que aponta que o excesso de endividamento que levou à crise de 2008 ainda não foi totalmente digerido.

"O mundo se endividou excessivamente no período chamado de grande moderação, entre 1980 e 2007", diz.

Isso não invalida, porém, a teoria da estagnação secular. "Há um pouco de ambas as explicações", diz o economista.

Segundo Borges, a questão crucial suscitada pelo debate é como reverter a situação atual em que estímulos monetários não conseguem cumprir seu papel.

Vários países desenvolvidos já estão no terreno dos juros negativos, ou seja, as taxas determinadas por seus bancos centrais são menores do que a inflação. Iniciada em 2009 pela Suécia, a tendência foi seguida, posteriormente, por Europa e Japão.

Embora os Estados Unidos ainda pratiquem juros positivos --atualmente, em um intervalo de 2% a 2,5%--, a taxa também é considerada extremamente baixa para padrões americanos.

O objetivo do afrouxamento monetário é tornar a poupança pouco atrativa, incentivando o consumo e o investimento produtivo.

Mas essa política tem surtido pouco efeito. Um sinal disso é que os países desenvolvidos apresentam dificuldade em atingir suas metas de inflação.

Ajustes de preços muito baixos ou negativos são ruins porque podem levar os consumidores a adiar ainda mais suas compras, esperando níveis ainda menores de inflação no futuro.

A saída para essa armadilha pode ser outro tipo de política econômica, como estímulos fiscais, por meio de gastos públicos.

Defendidas por alguns economistas, como Summers, há algum tempo, medidas nessa direção foram cobradas dos governos nesta semana por Mario Draghi, presidente do BCE (Banco Central Europeu).

Ao anunciar uma nova rodada de estímulos monetários, a maior dos últimos três anos, o economista italiano afirmou que "agora é hora de a política fiscal assumir a responsabilidade".

Donald Trump, reagiu ao anúncio do BCE --que tende a depreciar o euro-- cobrando do Fed (Federal Reserve, banco central americano) que aja para desvalorizar o dólar.

A declaração do presidente americano alimenta a percepção de que, antes de considerar medidas de estímulo fiscal, os EUA devem insistir na guerra de preços e tarifas por maior competitividade.

O problema, segundo especialistas, é que, até agora, o único efeito dessa estratégia tem sido o aumento da incerteza e, consequentemente, do risco de recessão.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.