Consumo interno e exportações fazem PIB dos EUA subir 1,9% no 3º tri

Economia desacelera menos que o esperado por projeções de analistas

Washington | Reuters

crescimento econômico dos Estados Unidos no terceiro trimestre fechou em uma taxa anualizada de 1,9%, segundo relatório divulgado nesta quarta-feira (30) pelo Departamento de Comércio americano. 

O índice veio abaixo do trimestre anterior, mas apresentou números superiores ao projetado por analistas. Economistas consultados pela Reuters estimavam alta de 1,6% do PIB (Produto Interno Bruto).

O movimento se manteve alto pois a queda do investimento empresarial foi compensada por gastos resilientes do consumidor e recuperação das exportações, o que pode aliviar ainda mais os temores do mercado financeiro de uma recessão.

Os dados, no entanto, não devem desencorajar o Federal Reserve de cortar a taxa de juros de novo em meio a ameaças à mais longa expansão já registrada devido a incertezas com a política comercial, desaceleração do crescimento global e saída do Reino Unido da União Europeia.

O PIB cresceu conforme as empresas mantiveram um ritmo estável de acúmulo de estoques e o mercado imobiliário se recuperou após contrair por seis trimestres seguidos, disse o governo.

Americanos fazem compras em loja durante Black Friday
Gastos dos consumidores mantêm economia americana aquecida - Mark Ralston - 25.nov.2016/AFP

A economia havia crescido a um ritmo de 2% entre abril e junho. Economistas estimam a velocidade com que a economia pode crescer por um longo período sem alimentar a inflação em 1,7% a 2%.

A guerra comercial do governo de Donald Trump com a China afetou a confiança empresarial, contribuindo para a segunda contração trimestral no investimento empresarial. A perda de força do estímulo do pacote de cortes de impostos do ano passado também está prejudicando a expansão, agora em seu 11º ano.

O relatório do PIB foi publicado horas antes de o Fed encerrar sua reunião de política monetária, com expectativa de que corte os juros pela terceira vez. O Fed cortou os juros em setembro depois de reduzir os custos de empréstimos em julho pela primeira vez desde 2008.

Apesar do desempenho melhor do que o esperado no trimestre passado, a economia deve novamente ficar abaixo da ambiciosa meta da Casa Branca de um crescimento anual de 3% em 2019. No ano passado a expansão foi de 2,9%.

O aumento dos gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, desacelerou para 2,9% no trimestre passado após salto de 4,6% no segundo trimestre, ritmo mais forte desde o quarto trimestre de 2017.

O investimento empresarial caiu a uma taxa de 3% no terceiro trimestre, contração mais acentuada em mais de três anos e meio, depois de cair 1% no segundo trimestre. Ele foi pressionado por recuos nos gastos com equipamentos e estruturas não residenciais.

A recuperação nas exportações compensou o ganho nas importações, levando à redução do déficit comercial. O comércio subtraiu 0,08 ponto percentual do crescimento do PIB no terceiro trimestre, depois de reduzir 0,68 ponto no período anterior

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.