Frigorífico Minerva fecha parceria com empresa chinesa

Joint venture vai distribuir carne diretamente no mercado chinês para aproveitar altos preços

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Pequim

O frigorífico Minerva vai se tornar sócio da empresa chinesa JoeyFoods para distribuir carne bovina diretamente no gigante asiático.

O surgimento da joint venture, da qual a Minerva terá 51%, será formalizado nesta quinta-feira (24) durante a visita do presidente Jair Bolsonaro (PSL) à China.

É a primeira vez que uma empresa brasileira atuará na distribuição de carne bovina na China. O Minerva é o terceiro maior frigorífico brasileiro, depois de JBS e Marfrig.

Frigorífico Minerva vai se tornar sócio da empresa chinesa JoeyFoods para distribuir carne bovina diretamente no gigante asiático
Frigorífico Minerva vai se tornar sócio da empresa chinesa JoeyFoods para distribuir carne bovina diretamente no gigante asiático - Edson Silva/Folhapress

Segundo o diretor financeiro Edison Ticle, o objetivo da companhia, que já exporta para o país, é se apropriar da margem de lucro do negócio da distribuição, que pode chegar a 10%. No Brasil, varia de 3% a 5%.

Por causa da peste suína, que dizimou 50% do rebanho de porcos chinês, os preços de todas as carnes —bovina, frango e suína— estão batendo recordes na China. Desde o início do ano, a alta chega a 30% na carne bovina.

“Com o aumento da renda e a ocidentalização dos hábitos, os chineses estão consumindo cada vez mais carne bovina. A peste suína só acelerou esse processo”, diz Fernando Queiroz, presidente do Minerva.

O investimento do Minerva no negócio é baixo —cerca de US$ 7 milhões para capital giro— e o principal foco é aprender com o parceiro o “know how” de como operar no mercado chinês.

As empresas brasileiras têm bastante dificuldade de atuar na China por causa do idioma, da expressiva participação de estatais e da exigência de sócio local em alguns setores. No início do mês, a China comemorou 70 anos da revolução comunista.

A Embraer, por exemplo, chegou a ter uma fábrica de jatos em Harbin, no norte do país, em conjunto com um parceiro chinês. Mas acabou desistindo do negócio e fechou a unidade.

 
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.