PF faz operação contra suposto esquema de pirâmide com moedas virtuais

Com sede em São Leopoldo (RS), grupo suspeito atuava no mercado financeiro sem autorização das autoridades

Brasília | Reuters

 A Polícia Federal deflagrou operação na manhã desta quinta-feira (17), chamada de Lamanai, contra um grupo suspeito de operar pirâmides financeiras e comprar de moedas virtuais que chegou a captar R$ 40 milhões por dia e ter um milhão de clientes.

Segundo a PF, a Unick Forex , com sede em São Leopoldo (RS), atuava no mercado financeiro sem autorização das autoridades. Os recursos captados eram aplicados no mercado de compra e venda de moedas e também na compra de moedas virtuais para envio de divisas ao exterior.

Carro da Polícia Federal, no Rio de Janeiro
Carro da Polícia Federal, no Rio de Janeiro - Sergio Moraes - 15.ago.18/Reuters

"O inquérito policial foi instaurado em janeiro deste ano e apurou que os clientes do grupo eram atraídos pela promessa de retorno na ordem de 100% sobre o valor investido, no prazo de seis meses. A captação de recursos estava estruturada em formato conhecido como de 'pirâmide financeira', em que os novos investidores subsidiam os pagamentos de remuneração daqueles que já aplicaram recursos há mais tempo", afirma a PF do Rio Grande do Sul.

A polícia informa ainda que a instituição já tinha sido notificada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) para que parasse as transações, o que não foi cumprido. Em seguida, a CVM emitiu uma ordem de parada de operações, também ignorada.

Foram emitidos 65 mandados de busca e apreensão e 10 de prisão em quatro cidades no Rio Grande do Sul, além de Curitiba (PR), Bragança Paulista (SP), Palmas (TO) e Brasília (DF).Na operação foram apreendidos cerca de 1.500 bitcoins, estimado em R$ 40 milhões e veículos importados e nacionais.

Em abril, a CVM reforçou um alerta feito em 2018 de que a empresa atuava de forma irregular, abriu um processo administrativo e avisou o Ministério Público.

A segunda fase da operação Lamanei irá investigar como o grupo atuava no exterior.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.