Primeiro leilão de exploração mineral do PPI atrai capital estrangeiro para o setor

Direitos de Palmeirópolis (TO) foram arrematados pela Perth Recursos Minerais

São Paulo

O governo realizou nesta segunda-feira (21) o primeiro leilão de áreas para exploração de minérios no Brasil no modelo que tenta aproximar o sistema de concessões minerais do setor de petróleo.

Os direitos de exploração do Complexo Polimetálico de Palmeirópolis (TO) foram arrematados pela Perth Recursos Minerais, constituída no Brasil, mas de origem australiana e capital do fundo MMH Capital, de Dubai (Emirados Árabes Unidos).

A área pertencia ao Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e fazia parte do PPI (Programa de Parceria de Investimento).

A empresa foi a única a apresentar proposta, de 1,71% em royalties sobre a receita bruta na fase de produção e R$ 15 milhões em bônus em três parcelas, sendo 10% na assinatura do contrato. São esperados R$ 255 milhões em investimentos.

A área tem potencial para a exploração de cobre, chumbo e zinco e é parte de um conjunto de 30 blocos que compõem hoje a carteira do CPRM.

A área, de 60,5 quilômetros quadrados, está localizada no município de Palmeirópolis, a 420 quilômetros de Palmas. Também como no caso do petróleo, o concessionário será obrigado a realizar investimentos mínimos em pesquisa. Os outros blocos já aprovados pelo PPI para leilão têm potencial para carvão, caulim, fosfato e cobre e cobalto.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.