Bolsa e dólar ensaiam recuperação pós-'efeito Lula'

Ibovespa volta aos 108 mil pontos e dólar cai para R$ 4,14

São Paulo

A cotação do dólar e a Bolsa de valores brasileira se recuperaram em parte do 'efeito Lula'  nesta segunda-feira (11). Na sexta (8), quando o ex-presidente saiu da prisão em Curitiba, o Ibovespa caiu 1,8% e perdeu os 108 mil pontos. O dólar subiu na mesma proporção e foi a R$ 4,168, maior valor desde 17 de outubro.

Neste pregão, a Bolsa subiu 0,7% e recuperou os 108 mil pontos, enquanto o dólar recuou 0,6%, a R$ 4,142.

No exterior, o viés foi misto, com receio de investidores quanto a 'fase 1' do acordo comercial entre China e Estados Unidos, previsto para ser assinado até o fim do ano. 

Segundo as últimas declarações do presidente americano Donald Trump, a etapa pode não ser tão produtiva quanto investidores esperam, sem remoção signficativa de tarifas. No sábado, Trump declarou que os Estados Unidos só fariam um acordo se fosse o "acordo certo" para os EUA, acrescentando que as negociações têm sido mais lentas do que ele gostaria.

Nesta segunda (11), devido ao feriado do Dia dos Veteranos de Guerra, o mercado de renda fixa americano não abriu e o de renda variável teve liquidez reduzida. Na Bolsa de Nova York, o índice Dow Jones fechou estável. S&P 500 caiu 0,2% e Nasdaq, 0,13%.

A Bolsa de Hong Kong caiu 2,6%, maior queda percentual desde agosto. A região foi palco de novas cenas de violência nesta segunda, com um manifestante atingido por um tiro à queima-roupa e outro que foi atacado com fogo. Ao menos 60 pessoas ficaram feridas, segundo o governo.

No Brasil, a tensão com a soltura de Lula se dissipa. Dentre emergentes, o real foi a moeda que mais se valorizou na sessão, em um movimento de correção ao tombo de sexta (8). 

“Um: a chance de Lula voltar à prisão em breve é alta; Dois: a saída do Lula pode servir para reunificar a direita/centro-direita brasileira (com a polarização mais acirrada com a soltura dele, ou você é aliado ao governo Bolsonaro ou é aliado ao Lula; o “isentão” não vai funcionar bem). Porém, é importante lembrar que a política costuma reservar grandes surpresas no Brasil (país onde até o passado é incerto) e uma decisão como essa do STF não traz boas lembranças ao investidor, principalmente o estrangeiro, que pode cobrar razões mais concretas para embarcar no Brasil. A soltura do Lula pode deixar mais claro quem está de fato com o governo ou quem está contra ele”, afirma relatório da Rico Investimentos.

O Ibovespa subiu 0,7%, a 108.367 pontos. O volume negociado foi de R$ 14,7 bilhões, abaixo da média diária para o ano. 

"A soltura do ex-presidente Lula tornou a questão da prisão após segunda instância a prioridade número [do Congresso]. A aprovação das várias reformas estruturais prescritas pelo ministro Paulo Guedes (tributária, administrativa, estado de emergência fiscal, etc.) deve ficar em segundo plano, tanto para a situação quanto para a oposição. O cronograma otimista, que visava aprová-las antes que as eleições municipais consumam a política, se tornou ainda mais improvável”, diz documento da Guide Investimentos.

O risco-país medido pelo CDS (Credit Default Swap) de cinco anos teve leve queda na sexta (8), a 116 pontos, mas voltou a subir nesta segunda (11). O índice teve alta de 1,3%, a 117 pontos. Os patamares são relativamente baixos e se igualam aos registrados pelo país em 2013.

“Essa reorganização da política impacta os mercados por alguns canais. O mais evidente é que Lula é a melhor figura para conduzir seu polo político até a eleição de 2022, ainda que continue inelegível até lá. Outro é que sua liderança política e capacidade de propagar narrativas pode atrapalhar a já difícil vida do governo no Congresso, em especial, nas pautas econômicas impopulares. Um risco adicional, mas de difícil aferição, é Bolsonaro se distanciar, ainda que parcialmente, da política econômica defendida por Paulo Guedes para buscar agendas mais palatáveis ao eleitorado”, afirma relatório da XP Investimentos.

(Com Reuters)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.