Taxas da Nasdaq aumentam para financiar atualizações em Times Square

A Bolsa eletrônica justifica aumento dizendo que suas instalações em Nova York agregam valor às empresas listadas

Philip Stafford Richard Henderson
Nova York | Financial Times

A Nasdaq pretende aumentar as taxas cobradas das empresas para listá-las em seu mercado, em parte para ajudar a financiar o brilhante showroom na Times Square que usa para competir por novos clientes com sua rival, a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE).

As taxas mais altas ajudariam na modernização de sua nova sede em uma esquina do famoso local, que abriga um estúdio de transmissão digital de última geração, informou a empresa em um registro regulatório.

O grupo também apontou a inflação de preços e melhorias em suas ferramentas on-line como fatores que impulsionaram o aumento das taxas.

Pessoas em frente à Nasdaq, na Times Square, em Nova York
Pessoas em frente à Nasdaq, na Times Square, em Nova York - Reuters

As instalações aprimoradas incluem um estúdio de TV onde são realizadas as cerimônias de abertura e encerramento, um terraço ao ar livre no décimo andar e uma tela de vídeo curva que mostra fotos de pessoas e empresas listadas na Bolsa.

A Nasdaq remodelou continuamente suas instalações ao longo dos anos para competir com o icônico edifício neoclássico da NYSE no centro da cidade, inaugurado em 1903 e onde se realiza a cerimônia diária do toque de sino.

Defendendo sua posição, a Nasdaq disse que "fornece uma enorme quantidade de valor para nossas empresas listadas durante todo o ciclo de vida corporativo".

As duas Bolsas estão travando uma batalha feroz para garantir ofertas públicas iniciais, pois são as únicas Bolsas que lançam empresas no mercado de ações dos Estados Unidos. Um ex-executivo da NYSE descreveu a rivalidade como uma "briga de faca".

Normalmente, a Nasdaq é vista como a opção mais barata para listar, em comparação com sua rival no centro da cidade. As maiores empresas listadas na Nasdaq pagarão US$ 159 mil à Bolsa por ano, um aumento de US$ 4.000, segundo o registro feito na quinta-feira (14) na Comissão de Valores Mobiliários.

As taxas cobradas de empresas menores e por outros tipos de listagens, incluindo recibos de depósito, também aumentarão.

Lee Shapiro, diretor financeiro da Livongo, start-up digital de saúde lançada na Nasdaq em julho, disse que as instalações são um fator proeminente na escolha da Nasdaq e não da NYSE.

"Eles disponibilizam suas instalações para nossas relações com os investidores", disse Shapiro. "Realizamos eventos lá em conexão com a IPO, mas eles também nos permitem usar o espaço para reuniões e nossos próprios eventos."

A Nasdaq levantou US$ 31,4 bilhões em 146 IPOs neste ano, superando os US$ 25,7 bilhões levantados em 45 listagens pela NYSE, de acordo com dados da Dealogic. Se a liderança da Nasdaq durar até o final de dezembro, marcaria o primeiro ano em que ela superou a NYSE desde 2012.

As listagens de alto perfil da Nasdaq neste ano incluem Beyond Meat, o grupo de proteínas de origem vegetal, e o grupo de transporte por aplicativo Lyft, enquanto a NYSE conquistou a Uber, uma das listagens mais esperadas nos últimos anos.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.