Consumo das famílias volta a se destacar no 3º trimestre de 2019, diz IBGE

Setor cresceu 0,8% em relação aos três meses anteriores

Rio de Janeiro

Responsável por quase dois terços do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, o consumo das famílias puxou o crescimento da economia no terceiro trimestre de 2019.

Base da recuperação econômica após a recessão iniciada em 2014, o consumo das famílias brasileiras cresceu 0,8% no terceiro trimestre de 2019, em relação aos três meses anteriores, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira (3).

Top of Mind 2019 - Líder
Interior de supermercado do Grupo Líder, em Belém (PA) - Dirceu Neto/Folhapress

Na comparação com o mesmo o período do ano passado, houve expansão de 1,9%. A alta pode ser explicada pelo comportamento dos indicadores de crédito para pessoa física e pela expansão da massa salarial real, segundo o IBGE.

"O crédito nominal foi bastante alto em termos reais. O crédito cresceu muito voltado às famílias. E o crescimento da massa salarial, apesar de não muito expressivo, é consistente, mesmo dependendo mais da informalidade", disse Rebeca Palis, coordenadora da pesquisa.

No período, o crescimento nominal foi de 15,5% no saldo de operações de crédito, segundo nota para a imprensa do Banco Central. Mas outros fatores também contribuíram para o aumento do consumo das famílias.

"A inflação está baixa. Houve uma recuperação gradual do mercado de trabalho, a Selic está caindo, e teve a liberação do FGTS em setembro, e isso terá um impacto ainda maior no quarto trimestre", explicou Rebeca Palis.

A inflação variou 3,2% no terceiro trimestre de 2019, contra 4,4% no mesmo período do ano passado. Na mesma comparação, a taxa Selic caiu 0,2 ponto percentual, de 6,5% para 6,3%.

O mercado de trabalho, por sua vez, teve melhora na passagem do trimestre encerrado em junho para aquele terminado em setembro, com a desocupação caindo de 12% para 11,8%. Porém, com recordes de empregos informais, segundo o IBGE.

O último resultado negativo do consumo na comparação com o período imediatamente anterior foi nos últimos três meses de 2016.

A Formação Bruta de Capital Fixo também teve variação de 2% na comparação com o trimestre anterior. Em relação ao mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 2,9%, o oitavo resultado positivo após quatorze trimestres de recuo.

"Esse aumento foi puxado pela construção e pela produção de bens de capital", explicou o IBGE.

A despesa de consumo do governo registrou recuo de 0,4% em relação ao trimestre anterior. No setor externo, as exportações de bens e serviços recuaram 2,8%, enquanto as importações cresceram 2,9%.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, a despesa de consumo do governo teve retração de 1,4%. As exportações de bens e serviços caíram 5,5%, e as importações subiram 2,2%.

Nesta terça, o IBGE divulgou dados do PIB, que avançou 0,6% no terceiro trimestre de 2019 em relação aos três meses imediatamente anteriores.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.