Governo argentino estabelece imposto de 30% para compras de dólares no exterior

Tributo inclui compras de passagens e pagamentos de serviços no exterior, como serviços de streaming

Buenos Aires

O governo argentino anunciou uma nova medida neste domingo (15) estabelecendo um imposto de 30% para compras de argentinos em dólares no exterior. A medida incluirá compras de passagens e pagamentos de serviços em outros países, como plataformas de streaming, como o Netflix.

A informação foi dada pelo chefe de gabinete, Santiago Cafiero. “Os argentinos e argentinas que tenham possibilidades de viajar para fora do país para fazer compras têm o dever de dar seu aporte para a sociedade. Essas compras são pagas com dólares do nosso Banco Central, dólares dos quais temos que cuidar muito”, declarou.

O presidente argentino Alberto Fernandez na escola de direito da Universidade de Buenos Aires, Argentina - Agustin Marcarian/Reuters

No sábado (14), Alberto Fernández decidiu que, a partir de segunda-feira (16), estão suspensos de modo temporário os registros de vendas de grãos e seus subprodutos para o exterior.

Por decreto, Fernández fixou uma taxa de 9% a mais sobre as que já existiam sobre produtos agropecuários.

As medidas têm como objetivo arrecadar fundos para, entre outras coisas, o pacote de assistência aos mais humildes e aos aposentados que vai ser tratado pelo Congresso a partir da semana que vem, em regime de emergência.

Igualmente por decreto publicado neste sábado, o governo declarou “emergência pública em questões de emprego” e estabeleceu o pagamento de uma dupla indenização para as demissões sem justa causa. O decreto tem validade por um período de 180 dias.

A partir de segunda-feira, o Congresso, convocado para sessões extraordinárias, vai dar inicio a uma discussão e possível aprovação de diversas medidas de emergência consideradas necessárias pela nova gestão, como adiantou em sua primeira entrevista coletiva, o ministro Martin Guzman (Economia).

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.