Revisão do PIB de 2018 eleva resultado do agro de 0,1% para 1,4%

No total, PIB do ano passado cresce de 1,1% para 1,3%

São Paulo e Rio de Janeiro

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou nesta terça-feira (3) uma revisão do PIB de 2018, que apresentou expansão de 1,3%, ocorrida principalmente por variação nos números da agropecuária. O dado divulgado anteriormente apontava um crescimento da economia brasileira de 1,1% naquele ano.

Segundo o IBGE, a revisão nos números da agropecuária, de 0,1% para 1,4% foi o principal fator para o crescimento PIB.

"Basicamente, o que mexeu com a revisão da agropecuária foram feijão, milho, café, laranja, soja e cana, que subiram na pesquisa estrutural e geraram um crescimento de 1,4%. Antes, a gente estimava uma estabilidade no setor", disse Rebeca Palis, coordenadora do IBGE.

Em novembro, o instituto já havia revisado para cima o resultado de 2017, de 1,1% para 1,3%, revisão provocada, principalmente, pelo melhor desempenho do consumo das famílias.

O operário José Luis Antunes, observa produção de vergalhões, em uma unidade da Gerdau, em São José dos Campos (SP).
Unidade da Gerdau em São José dos Campos, interior de São Paulo - Paulo Fridman - 18.dez.19/Bloomberg News

As revisões do PIB são feitas nos dois anos seguintes à primeira publicação, com base em novas informações obtidas pelo instituto. O número de 2017 não será mais revisado. No caso de 2018, os números definitivos serão conhecidos somente no final do próximo ano.

Do ponto de vista da oferta, a indústria variou de 0,6% para 0,5%, enquanto serviços subiu de 1,3% para 1,5%.

"Além do crescimento na agropecuária, outro responsável pela revisão no PIB foi essa diferença positiva de 0,2 ponto percentual em serviços, que pesa muito, ocorrida por revisão para cima no comércio, informação e comunicação e outros serviços", disse a coordenadora do IBGE.

O IBGE explicou a diferença no resultado da agropecuária, em grande parte, à incorporação dos dados de pesquisas agropecuárias das cidades brasileiras. 

São elas a Produção Agrícola Municipal (PAM) - que investiga 64 produtos das lavouras, sendo 31 de culturas temporárias e 33 permanentes -, a Produção da Pecuária Municipal (PPM) - com análises sobre os efetivos das espécies animais criadas e os produtos da pecuária - e a Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS) - com informações da produção decorrente dos processos de exploração de recursos vegetais nativos e maciços florestais plantados.

indústria e serviços foram revisados após a atualização dos dados primários, como a Pesquisa Industrial Mensal.

Sob a ótica da demanda, os novos resultados são: consumo das famílias (de 1,9% para 2,1%), consumo do governo (de zero para 0,4%), investimentos (de 4,1% para 3,9%), exportações (de 4,1% para 4,0%) e importações (de 8,5% para 8,3%).

De acordo com o IBGE, as diferenças pela ótica da despesa se devem às revisões no lado da oferta. Também houve a atualização segundo os resultados de 2017 do Sistema de Contas Nacionais Anuais.

"Fora a agropecuária, as outras revisões estão dentro dos padrões normais de revisão que sempre temos", disse Rebeca Palis.

Os anos de 2017 e 2018 foram os primeiros de expansão após as retrações verificadas em 2015 (-3,5%) e 2016 (-3,3%). Desde então, o PIB tem mantido o mesmo ritmo de fraco crescimento e ainda está abaixo do patamar verificado antes da recessão iniciada em meados de 2014.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.