Argentina conclui 2019 com inflação de 53,8%, a mais alta desde 1991

Indicador corresponde ao último ano de governo de Mauricio Macri

Buenos Aires | AFP

A inflação da Argentina foi de 53,8% em 2019, a mais alta desde 1991 e uma das mais elevadas do mundo, informou nesta quarta-feira (15) o instituto de estatísticas Indec.

Este índice foi alcançado após o custo de vida aumentar 3,7% em dezembro.

Segundo o Indec, o setor que mais aumentou no ano passado foi o de saúde (+72,1%), seguido de comunicação (+63,9%) e equipamentos e manutenção do lar (+63,7%).

Na foto, o ex-presidente da Argentina, Mauricio Macri, aparece em primeiro plano, vestindo uma camiseta azul clara e com as duas mãos na boca. Ao fundo, diversos de seus apoiadores podem ser vistos.
Ex-presidente da Argentina, Mauricio Macri; inflação de 53,8% corresponde ao último ano de governo de Macri, que deixou o poder em 10 de dezembro - Agustin Marcarian - 07.dez.2019/Reuters

Enquanto isso, o setor de alimentos e bebidas não alcoólicas registrou uma inflação acumulada de 56,8%.

A inflação da Argentina está entre as mais altas do mundo e é a mais elevada da América Latina, fora a hiperinflação da Venezuela.

Em 2018, a Argentina tinha registrado um índice de preços ao consumidor de 47,6%.

O indicador divulgado nesta sexta corresponde ao último ano do governo do ex-presidente liberal Mauricio Macri, que deixou o poder em 10 de dezembro, quando o peronista de centro-esquerda Alberto Fernández assumiu.

A inflação é um problema recorrente na Argentina, que sofreu duas hiperinflações em sua história recente: em 1989 (3.079%) e em 1990 (2.314%).

A alta de preços foi solucionada com um plano de paridade cambial 1 a 1 entre o peso e o dólar aplicado em 1991, ano em que a inflação foi de 84%.

A paridade peso-dólar se manteve por 11 anos, mas levou à grande crise de 2001, quando a Argentina declarou moratória de 100 bilhões de dólares. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.