BNDES deve esclarecer R$ 48 mi pagos em auditoria, diz ex-chefe do banco

Paulo Rabello de Castro afirma que valor não chegava a R$ 12 mi quando serviço foi contratado

São Paulo

Para o ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) Paulo Rabello de Castro, o banco precisa esclarecer por que pagou R$ 48 milhões por uma auditoria sobre as operações da instituição com as empresas JBS, Bertin e Eldorado.

A investigação, conduzida pelo escritório estrangeiro Cleary Gottlieb Hamilton & Steen LLP, foi contratada na gestão de Rabello de Castro, durante o governo de Michel Temer. O relatório final, divulgado em dezembro de 2019, não encontrou indícios de irregularidades.

O documento afirma não haver evidências "de que as operações tenham sido motivadas por influência indevida sobre o banco, nem por corrupção".

Segundo Rabello de Castro, o valor inicial do contrato seria de aproximadamente R$ 12 milhões. Rabello de Castro diz ter enviado nesta quarta-feira (22) uma carta ao atual presidente do BNDES, Gustavo Montezano, em que pede detalhes que podem explicar a diferença dos valores.

O economista Paulo Rabello de Castro, ex-presidente do BNDES - Adriano Machado - 23.ago.17/Reuters

Procurado para comentar as declarações de Rabello de Castro, Montezano não se manifestou até a publicação desta reportagem.

“A contratação foi decidida pelo conselho, com base em um parecer da diretoria jurídica do BNDES. À época, foi concluído que era indispensável atender aos órgãos de controle que avaliavam que investigações internas não eram suficientes [para atestar que não havia irregularidades]”, afirma o ex-presidente do banco.

“Na época eu protestei, disse que seria uma investigação cara e que provavelmente não descobriria nada, porque já havíamos feito investigação interna [sem encontrar problemas]”, diz.

“A empresa [contratada] é altamente especializada nesse tipo de levantamento internacional e já prestava serviços ao banco. Estou surpreso [com o preço]. Resgatei informalmente informações de que o valor não chegaria a um quarto disso, a depender do câmbio. Não chegava aos R$ 12 milhões. Pode ter havido aditamento de contrato, mas haja aditamento”.

Rabello de Castro afirma que pediu nesta quarta (21), por meio de uma carta ao atual presidente do BNDES, Gustavo Montezano, explicações sobre o caso. 

“O Gustavo Montezano é um rapaz jovem, e talvez não tenha a experiência de já ter essas informações [sobre a auditoria e o contrato] abertas. Precisa esclarecer o relatório: como surgiu, quantas fases ele teve, como se deram os pagamentos, quais as razões [deles], quem aprovou. Esses aditamentos não foram feitos na minha gestão”, disse à Folha.

Montezano afirmou nesta quarta que 90% do relatório da auditoria já estava pronto quando ele assumiu o cargo, em junho de 2019.

“Tivemos essa notícia que foi mal interpretada pela sociedade novamente”, afirmou em alusão às críticas sobre o valor desembolsado pelo banco. Montezano está em Davos, onde participa do Fórum Econômico Mundial.

“Dentro da nossa política de divulgar tudo o que achamos que é necessário, a gente recebeu essa informação e soltou para o mercado”, disse.

Em entrevista à Folha, o economista Luciano Coutinho, ex-presidente do BNDES de 2007 a 2016, durante governos petistas, disse receber com satisfação o relatório da auditoria.

Em maio de 2019, ele se tornou réu –ao lado do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega– em ação movida pelo Ministério Público Federal questionando o relacionamento do banco estatal com a empresa dos irmãos Batista. 

"Será, sem dúvida, útil, porque ele põe a nu a inconsistência e a falta de fundamentos da denúncia feita pelo Ministério Público Federal", afirmou Coutinho, que disse acreditar que pode reverter as acusações no processo judicial.

A AFBNDES (associação dos funcionários do BNDES) já havia afirmado que a auditoria comprovou que nunca existiu a "caixa-preta" do banco.

Para a associação, os fatos "desconstroem a fantasiosa 'caixa-preta' (...), que políticos demagogos, com objetivos eleitorais mesquinhos, e alguns atores do mercado financeiro, que visam obter vantagens com a redução de tamanho do BNDES, lamentavelmente ainda tentam incutir na opinião pública".

Com Reuters

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.