Empresas brasileiras lideram busca por selo global de sustentabilidade

Depois de Natura, Movida é segunda companhia de capital aberto com certificação B

São Paulo

Dez companhias de capital aberto do Brasil estão na fila para obter a certificação do Sistema B, programa com mais de 200 métricas que avalia a sustentabilidade. Contando com as pequenas e médias, são 5.800 empresas que iniciaram o processo de medição.

Após a Natura, a locadora Movida recebe o selo nesta terça (21). É segunda empresa listada em Bolsa a obtê-lo.

Movida em ação na Faria Lima; empresa é a segunda companhia de capital aberto a ter a certificação
Movida em ação na Faria Lima; empresa é a segunda companhia de capital aberto a ter a certificação - Jardiel Carvalho/Folhapress

Alheio ao descaso do governo com a pauta ambiental no último ano, o setor privado tem recorrido ao selo para competir por recursos de fundos internacionais. 

“O Brasil tem o maior pipeline [fluxo] de empresas nesse processo no mundo. São 5.800 que iniciaram o processo de medição, o que coloca o Brasil no protagonismo de uma economia mais inclusiva e sustentável”, afirma Marcel Fukayama, presidente da certificadora no país.

Gerdau e Magazine Luiza já manifestaram interesse na certificação. Ao todo, 162 marcas têm o selo no Brasil. 

Presente em mais de 70 países, o sistema é um conjunto de métricas que posicionam empresas em uma escala de 0 a 200 (sendo 80 o mínimo necessário). O programa é aplicado em cerca de 150 setores econômicos.

Para entrar na medição, a empresa é avaliada em cinco áreas: governança, modelo de negócio, impacto ambiental, impacto comunitário e relação com empregados.

Passam pelo crivo da certificadora questões como equidade de gênero, múltiplo salarial (diferença de rendimento entre o presidente e o funcionário que recebe menos), política energética e escolha de fornecedores.

“Cada vez mais os investidores cobram isso das empresas de capital aberto”, diz Renato Franklin, presidente da Movida. “Grandes fundos têm agenda de sustentabilidade.” A Movida, ele diz, adotou compromisso de compensação de 100% da emissão de carbono até 2030.

A Bolsa já tem um índice próprio de sustentabilidade, o ISE, que se valorizou 33% no último ano. Muitas das participantes, no entanto, não se encaixam no selo B, como Petrobras e grandes bancos.

“A Vale só saiu do ISE depois de Brumadinho. Há dificuldade em separar a questão ambiental, mas com certeza sua exclusão fez com que fundos a tirassem do portfólio”, diz Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos.

Alguns fundos internacionais, segundo ele, evitam o Brasil pela falta de atenção dada a questões que vão além do lucro. "Empresas que estiverem inseridas nesse contexto vão estar mais preparadas para aproveitas os fluxos internacionais no futuro", avalia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.