iPad chega aos 10 anos e foca produtividade para aumentar vendas

Apple aposta em uso profissional para a segunda década do tablet

São Paulo

“O que nós faremos é colocar um ótimo computador em um livro que você pode levar por aí e que você possa aprender a usar em 12 minutos. É o que faremos, e faremos nesta década”, disse um jovem Steve Jobs, em uma conferência em Aspen (Colorado), nos Estados Unidos, em 1983.

Gravada em uma fita cassete, a palestra —assustadoramente profética—, na qual Jobs ainda prevê o Google Street View, a tecnologia wireless e as lojas de aplicativo, foi recuperada em 2012 pelo consultor de tecnologia Marcel Brown.

A Apple precisou de quase 30 anos para atingir a meta. Em 27 de janeiro de 2010, há dez anos, o mesmo Steve Jobs apresentou ao mundo o iPad, um computador potente, sem fios, do tamanho de um livro, cujos aplicativos poderiam ser baixados em uma loja online.

No primeiro dia de vendas, a Apple afirma ter vendido mais de 300 mil unidades. O número chegaria a 3 milhões em menos de três meses. 

A terceira geração atingiu 1,5 milhão de unidades vendidas na primeira semana, em março de 2012. O lançamento da versão Air, junto com a quarta geração do iPad, em novembro do mesmo ano, bateria a marca dos 3 milhões para o mesmo período, segundo números divulgados pela empresa.

Mas, apesar dos recordes e de se manter na liderança do mercado de tablets desde o seu lançamento, as vendas de iPads têm caído há seis anos.

Em 2014, foram 71 milhões de unidades vendidas. Em 2018, último ano em que a empresa divulgou faturamento por unidades, foram 43,5 milhões.

Segundo dados da consultoria TrendForce, após alcançar um pico de 192 milhões de unidades vendidas, em 2014, o mercado global de tablets começou a declinar até atingir 145,5 milhões, em 2018. A expectativa da consultoria é que 2019 feche com 139,6 milhões.

 Segundo Eric Smith, diretor de dispositivos conectados da consultoria Strategy Analytics, de Boston, nos Estados Unidos, o mercado está estabilizando e se espera um pequeno crescimento nos próximos anos.

“A longo prazo, a expectativa é que o Google funda suas plataformas do Chrome e Android em uma única, otimizada para produtividade. Os maiores competidores do mercado, como Huawei, Samsung e Lenovo, estão fazendo movimentos nesse sentido agora, tablets com potência para uso profissional.”

Segundo ele, a liderança da Apple no mercado de tablets só foi ameaçada justamente quando a Microsoft lançou o Surface 3 Pro, em 2012, um 2 em 1 (laptop com teclado destacável) com potência de ultrabook, focado para uso profissional.

A Apple respondeu com o iPad Pro, em 2015, que se integrava com caneta e teclado.

Os novos modelos consolidam o posicionamento da marca com o iPad não só como um computador casual mas como ferramenta. Todas as linhas agora se integram com teclados bluetooth e com o Apple Pencil.

O então presidente-executivo da Apple, Steve Jobs, durante o evento de lançamento do iPad, em janeiro de 2010 - Ryan Anson - 27.jan.10/AFP

“Ao adicionar teclado e criar um sistema operacional próprio para iPads, a Apple se posiciona muito bem em comparação ao Windows e Android, provendo uso casual e profissional de uma maneira que nenhum outro ecossistema é capaz”, diz Smith.

Com um valor mais alto do que o resto da linha —de R$ 6.799 a R$ 13.999, no Brasil—, as vendas da versão Pro já impactam na receita da maçã. Nos primeiros três trimestres de 2019, foram US$ 14,5 bilhões com vendas de iPads.

A companhia divulga o balanço do último trimestre nesta terça-feira (28).

A versão atual do iPad, hoje com 10,2 polegadas, custa de R$ 2.999 a R$ 4.899 no Brasil.

A do iPad Air, de 10,5 polegadas, vai de R$ 4.499 a R$ 6.799, e a do iPad mini, que tem tela de 7,9 polegadas, vai de R$ 3.499 a R$ 5.799.

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do escrito em versão anterior deste texto, em 2014 foram vendidos 192 milhões de tablets no mundo e, em 2018, 145,5 milhões.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.