Japão diz que fuga de Carlos Ghosn é injustificável

Executivo fugiu após empresa de segurança interromper monitoramento, diz agência

Tóquio

Quase uma semana após o ocorrido, as autoridades japonesas condenaram neste domingo (5) a fuga injustificável de Carlos Ghosn para o Líbano e rejeitaram suas acusações contra a Justiça japonesa.

O ex-presidente das montadoras Renault e Nissan chegou ao Líbano na segunda-feira (30) passada em circunstâncias ainda pouco claras, embora estivesse proibido de deixar o Japão, onde estava em liberdade condicional desde o final de abril de 2019, à espera de julgamento por delitos financeiros.

"O sistema penal do nosso país dispõe de procedimentos adequados para estabelecer a verdade nos casos e é administrado corretamente, de modo a garantir os direitos humanos fundamentais. A fuga de um réu em liberdade sob fiança é injustificável", afirmou, em comunicado, a ministra da Justiça japonesa, Masako Mori.

As autoridades japonesas não puderam traçar a saída do território de Carlos Ghosn e, portanto, suspeita-se que ele tenha usado meios ilegais para deixar o país, afirmou.

"É extremamente lamentável que tenhamos chegado a essa situação", acrescentou. A ministra também confirmou o cancelamento da fiança de Carlos Ghosn e a emissão de uma notificação vermelha da Interpol para solicitar sua prisão.

Carlos Ghosn, ex-chefe da Nissan, ao deixar a detenção em Tóqui em Abril de 2019
Carlos Ghosn, ex-chefe da Nissan, ao deixar a detenção em Tóqui em Abril de 2019 - Issei Kato - 19.nov.2019/Reuters

"Não sou mais refém de um sistema judicial japonês parcial, onde prevalece a presunção de culpa, a discriminação é generalizada e os direitos humanos não são respeitados", disse Carlos Ghosn na terça-feira (31).

Acredita-se que ele partiu no domingo do Aeroporto Internacional de Kansai, perto de Osaka (oeste do Japão), em um avião privado e depois pegou outro em Istambul com destino a Beirute.

Segundo as autoridades turcas, dois estrangeiros o ajudaram em seu itinerário até Istambul. Após a prisão na quinta-feira de sete indivíduos na Turquia, dos quais quatro pilotos, cinco foram mantidos em prisão preventiva.

O ex-chefe teria deixado sua residência em Tóquio após a empresa privada de segurança contratada pela Nissan parar de monitorá-lo, disseram três fontes com conhecimento do assunto à agência Reuters, neste sábado (4). 

A Nissan havia contratado uma empresa de segurança privada para observar Ghosn, que estava solto sob fiança e esperando julgamento, para checar se ele se encontraria com pessoas envolvidas no caso, disseram três fontes. 

Mas seus advogados disseram à empresa de segurança que parasse de monitorá-lo, porque seria uma violação dos seus direitos humanos, e Ghosn planejava entrar com uma queixa contra a empresa, disseram as fontes. 

A empresa de segurança interrompeu a vigilância em 29 de dezembro, disseram as fontes. 

Um de seus advogados, Junichiro Hironaka, afirmou a repórteres em novembro que eles estavam considerando passos para evitar perseguição a Ghosn. 

Um porta-voz da Nissan recusou-se a comentar.

A emissora pública japonesa NHK, citando fontes da investigação, afirmou que uma câmera de vigilância colocada pelas autoridades na casa de Ghosn mostrou-o saindo sozinho por volta do meio-dia de domingo e não o mostrou retornando. 

Não está claro como Ghosn, que tem cidadania francesa, brasileira e libanesa, foi capaz de orquestrar sua saída do Japão. Ele entrou no Líbano legalmente com um passaporte francês, uma fonte disse à Reuters. 

Uma operadora turca de aviões privados afirmou na sexta-feira que Ghosn usou uma das suas naves ilegalmente em sua saída do Japão, com um funcionário falsificando registros de locação para excluir o seu nome dos documentos. 

Ghosn tem dito que falará publicamente sobre sua fuga em 8 de janeiro. 

Crime

Ghosn foi preso no final de novembro de 2018 no Japão e passou 130 dias na prisão, antes de obter a liberdade sob fiança.

O magnata do setor automobilístico, seus parentes e sua defesa clamam sua inocência e afirmam que ele foi vítima de um "complô" orquestrado pela Nissan para derrubá-lo, com a cumplicidade das autoridades do país.

Ghosn e seu círculo também denunciaram as condições estritas de sua liberdade sob fiança. Ele era proibido, por exemplo, de falar com sua esposa Carole, um "castigo" para desmoralizá-lo, de acordo com sua defesa.

Organizações de defesa dos direitos humanos, como a Anistia Internacional, criticam há anos o sistema judicial japonês, muito diferente do dos países ocidentais, e baseado, segundo eles, na repetição de interrogatórios para que o réu acabe confessando.

O Ministério Público de Tóquio, responsável pela investigação, também reagiu oficialmente, pela primeira vez neste domingo, à fuga, chamando-a de crime.

Os investigadores japoneses temiam esse cenário e por isso se opuseram à libertação sob fiança, lembrou o MP em comunicado.

"O acusado Ghosn tinha recursos financeiros abundantes e muitos pontos de fuga para o exterior. Foi fácil para ele fugir", disse.

O franco-libanês-brasileiro de 65 anos tinha uma influência significativa no Japão e em todo o mundo, e havia um "risco real" que destruísse evidências relacionadas ao seu caso, acrescentou.

Ao fugir para o exterior, Ghosn também desrespeitou o juramento que fez de permanecer no Japão para se defender durante o julgamento, disseram os investigadores.

"Ele quis escapar da punição de seus próprios crimes. Não há razão para justificar esse ato", concluíram.

Com agências de notícias

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.