Descrição de chapéu RFI

'Me senti traído', afirma advogado japonês de Carlos Ghosn

Takashi Takano ressalta que entende a fuga do empresário, provocada pela extrema dureza do sistema judicial japonês

RFI

Um advogado japonês de Carlos Ghosn disse neste sábado (4) que se sentiu "traído" pela fuga de seu cliente para o Líbano, mas ressaltou que entende seu gesto, provocado pela extrema dureza do sistema judicial japonês.

"Inicialmente senti uma raiva imensa. Me senti traído", escreveu Takashi Takano em seu blog, garantindo que não tinha ideia dos planos de fuga de seu cliente. Mas a raiva cedeu lugar a outra coisa quando pensei como era tratado pelo sistema judicial do país", acrescentou.

"Posso facilmente imaginar que, se outras pessoas com meios financeiros, relacionamentos e capacidade de agir vivessem a mesma experiência, fariam o mesmo ou pelo menos pensariam nisso", acrescentou.

Carlos Ghosn, durante encontro da Renault, em abril de 2008 - Benoit Tessier/Reuters

O ex-poderoso chefe da Renault e Nissan fugiu no domingo passado do Japão, onde estava em liberdade sob fiança, após cerca de 130 dias de prisão, aguardando julgamento por crimes financeiros.

Desde o final de abril de 2019, Ghosn, que tem tripla nacionalidade libanesa, francesa e brasileira, vivia em prisão domiciliar em Tóquio, com uma proibição estrita de deixar o país.

Ele também não podia acessar a internet, exceto nos escritórios de seus advogados. Além disso, os juízes o proibiram de falar com sua esposa Carole, o que Takashi Takano considerou um "castigo" com o único objetivo de desmoralizá-lo.

O magnata destronado disse na terça-feira (31) que, ao sair do Japão, "deixou de ser refém de um sistema judicial japonês parcial onde prevalece a presunção de culpa, onde a discriminação é generalizada e os direitos humanos são violados".

Há anos, organizações de direitos humanos como Anistia Internacional criticam o sistema judicial japonês, baseado, segundo eles, na repetição de interrogatórios para esgotar o réu.

As circunstâncias da fuga de Carlos Ghosn para o Líbano continuam confusas. Ele teria fugido em um voo particular do aeroporto de Kansai, perto de Osaka (oeste), para ir a Istambul, onde embarcou em outra aeronave que o levou a Beirute.

Com informações da AFP

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.