Novo governo da Argentina reajusta salários para compensar inflação

Sindicatos esperavam reajuste mais significativo após um ano de inflação galopante, estimada em 55%

Buenos Aires | AFP

O governo argentino anunciou nesta sexta-feira (3) reajuste salarial de 4 mil pesos (R$ 272,36) para os trabalhadores do setor privado, diante da perda do poder aquisitivo provocada pela inflação.

"Os 4 mil (pesos) são um reajuste salarial, não um bônus, um pagamento extraordinário", disse em entrevista coletiva o ministro do Trabalho, Claudio Moroni.

Para os trabalhadores do setor público se aplicará um "esquema similar", que será anunciado na próxima semana, acrescentou Moroni. 

O ministro destacou que o "aumento será igual e uniforme para todas as escalas", com "3 mil (pesos) em janeiro e outros mil pesos em fevereiro, totalizando 4 mil".

Com um salário mínimo de 16.875 pesos mensais (R$ 1.149), os sindicatos esperavam um reajuste mais significativo após um ano de inflação galopante, estimada em 55%. 

O governo espera que o reajuste tenha "um efeito dinamizador na demanda" e isentou as pequenas e médias empresas do pagamento das contribuições relacionadas ao reajuste pelo prazo de três meses. 

O presidente Alberto Fernández, que assumiu no dia 10 de dezembro, adotou um pacote de medidas econômicas e impositivas de emergência para tentar superar a pior crise econômica na Argentina em quase 20 anos.

Fernández também enfrenta o desafio de equilibrar as exigências sindicais às necessidades de um setor produtivo golpeado por uma recessão que já dura mais de um ano.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.