Descrição de chapéu The Wall Street Journal

Veja a caixa em que Carlos Ghosn se escondeu para fugir do Japão

Ex-presidente da Nissan viajou escondido num jato particular durante fuga para o Líbano

David Gauthier-Villars
Istambul | The Wall Street Journal

A polícia turca que investiga a passagem de Carlos Ghosn pela Turquia depois de fugir do Japão procurou impressões digitais na caixa em que o ex-chefe da aliança Renault-Nissan foi embarcado em um avião em Osaka, segundo pessoas familiarizadas com a investigação.

The Wall Street Journal obteve duas fotos do baú em que Carlos Ghosn entrou furtivamente em um jato particular em aeroporto no Japão, em 29 de dezembro.

A caixa vazia, junto com uma menor, cheia de alto-falantes, foi encontrada no Aeroporto Atatürk de Istambul, dentro do jato executivo de longo alcance no qual Ghosn foi transportado para a Turquia no final do mês passado, disseram as fontes. Em Atatürk, Ghosn mudou para outro jato executivo e voou para Beirute.

A foto mostra duas caixas pretas de rodinhas abertas em primeiro plano. Ao fundo, a escada de um avião.
Caixas nas quais Ghosn se escondeu para fugir do Japão - AFP

O Wall Street Journal publicou uma foto no sábado (3), mostrando a caixa maior na parte traseira da aeronave. A caixa, semelhante aos baús geralmente usados para transportar equipamentos de shows, tinha buracos na parte inferior para que Ghosn pudesse respirar enquanto era submetida a verificações de segurança no Aeroporto Kansai. As caixas foram removidas do avião e armazenadas em um hangar, segundo uma das pessoas.

Atuando após denúncia da operadora turca MNG Jet Havacilik AS de que seus jatos foram usados ilegalmente, os promotores turcos acusaram cinco pessoas —um gerente da empresa e quatro pilotos— de contrabando de migrantes.

A reclamação da MNG Jet tem como alvo qualquer pessoa que possa ter desempenhado um papel no suposto uso ilegal da aeronave. Isso poderia levar os promotores turcos a examinar o papel de Ghosn no fretamento de jatos executivos.

Foto mostra a caixa preta do equipamento de áudio deixada no aeroporto de Ataturk, em Istambul, dentro da qual Carlos Ghosn teria fugido do Japão. Na foto, ela já está coberta com o pó usado pela perícia para identificar marcas de digitais.
A caixa preta do equipamento de áudio deixada no aeroporto de Ataturk, em Istambul, dentro da qual Carlos Ghosn teria fugido do Japão - Reprodução

No Japão, Ghosn estava sob fiança enquanto enfrentava acusações de crimes financeiros. Ele afirmou nesta quarta-feira (8), em Beirute, no Líbano, que é inocente e vítima de um processo político e de um complô para derrubá-lo do comando do grupo e impedir a convergência das marcas.

Em sua primeira declaração à imprensa internacional desde a prisão, em novembro de 2018, e também desde que fugiu do Japão, Ghosn se disse vítima de uma campanha para destruir sua reputação, alegou estar pronto para ir aos tribunais, mas não deu sinais de que pretende abandonar o Líbano, onde está ao abrigo da Justiça.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves  ​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.