Com coronavírus, estimativas para o crescimento do PIB recuam até 1,4%

Previsão oficial de crescimento do governo para 2020 permanece em 2,4%

São Paulo

O impacto do surto de coronavírus na economia brasileira, dados mais fracos sobre a atividade e dúvidas sobre a agenda de reformas econômicas geraram novas revisões para baixo nas estimativas de crescimento do país.

Nesta quinta-feira (27), o Bank of America Merrill Lynch reduziu sua perspectiva de crescimento econômico do Brasil em 2020 de 2,2% para 1,9%, se juntando a outras instituições financeiras que já haviam cortaram suas projeções para baixo dos 2%.

Na quarta-feira, o JP Morgan já havia revisado sua projeção de 1,9% para 1,8%.Segundo reportagem da Folha, o ministro da Economia, Paulo Guedes, enfrenta desgastes com o presidente Jair Bolsonaro e passou a ser cobrado por resultados.

O presidente reforçou a Guedes a necessidade de que, neste ano, a atividade econômica cresça, no mínimo, 2%. A previsão oficial de crescimento do governo para 2020 permanece em 2,4%. “O surto de coronavírus deve impactar negativamente as exportações.

Dado o maior impacto esperado do vírus e os contínuos indicadores de atividade econômica sem sinal uniforme no Brasil, reduzimos nossa previsão”, afirmaram os economistas do banco, David Beker e Ana Madeira, em relatório.

Outros analistas do setor privado, como a empresa de pesquisa britânica Capital Economics, estão mais pessimistas, prevendo um crescimento de 1,5% neste ano. O BNP Paribas reduziu sua previsão de crescimento de 2% para 1,5%.

O Fator foi ainda mais pessimista e derrubou sua projeção de 2,2% para 1,4%. Estimativa do banco BBVA está em 1,9% desde janeiro. Nas últimas semanas, também revisaram para baixo suas projeções, embora ainda no piso de 2%, Santander, UBS, Barclays e Safra.

Na contramão da maioria dos analistas, o banco Suíço Julius Baer projeta uma desaceleração da economia brasileira no próximo ano, com projeção de 2,0% para 2020 e 1,5% para 2021.

Na quarta-feira, a economista Zeina Latif afirmou que um crescimento maior da economia neste ano será garantido pela queda recente dos juros, mas que, sem a aprovação de reformas que ajudem na retomada do investimento, poderá haver perda de fôlego do PIB no próximo ano.

A mediana da última pesquisa Focus realizada pelo Banco Central, com projeções feitas na semana passada, está em 2,2%, mesma estimativa do Boletim Macro do Ibre/FGV divulgado recentemente. Para 2021, está em 2,5%.

Alguns analistas aguardam a divulgação dos dados do último trimestre de 2019, na próxima quarta-feira (4), antes de revisar suas projeções.

Desde a divulgação do PIB do 3º trimestre de 2019, a Tendências mantém a projeção para 2020 em 2,1%, mas a consultoria diz que o número deve ser revisto após a divulgação do resultado de 2019, levando em conta os últimos eventos domésticos e externos que aumentaram os riscos de revisão para baixo neste ano.

A última projeção do Itaú é de crescimento do 2,2%. A do banco Credit Suisse é de 2,3%. A do Bradesco, de 2,5%.

Com Reuters

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.