Com plateia de seis pessoas, Witzel desiste de participar de evento com investidores nos EUA

Governador foi até o local, mas não desceu do carro; assessoria alega antecipação de ida ao aeroporto

Washington

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), chegou à Câmara de Comércio dos EUA nesta sexta-feira (28) pouco depois do horário marcado. O carro que levava o governador estacionou em frente ao prédio em Washington, onde ele participaria de um café da manhã com analistas e investidores, mas Witzel não desceu. 

Somente seis pessoas esperavam para ouvir o governador. Ele então pediu que o secretário de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais, Lucas Tristão, falasse em seu lugar. E aí sobraram cinco.

Segundo relatos feitos à Folha —o evento era fechado para a imprensa—, o secretário não deu explicações sobre a ausência de Witzel e fez uma apresentação de cerca de uma hora sobre projetos do governo fluminense, principalmente na área de segurança

Afirmou que uma das prioridades é entender como funcionam os presídios verticais nos EUA —comuns em áreas urbanas do país— e levar a ideia como experiência ao Rio de Janeiro.

Os convidados do café da manhã estavam na câmara de comércio desde às 8h, participando de um evento com embaixadores dos EUA em vários países, inclusive Todd Chapman, que vai assumir o posto no Brasil.

Estavam presentes um representante de cada empresa: AmCham, Exxon, UnitedHealth Group (Amil), RELX, Patri, e Apple, que foi embora antes de o secretário começar a palestra.

Entre os motivos listados pelos participantes como possíveis explicações para o baixo quórum —reuniões desse tipo costumam juntar de pelo menos 20 a 30 pessoas-- foi a agenda ter sido marcada numa sexta-feira, em meio a outros eventos importantes na cidade —como o café com embaixadores— e o fato de o Rio e Witzel não inspirarem mais muito ânimo para investimentos no estado, assolado por crises política e econômica.

O evento às 8h30 era o primeiro dos dois compromissos que estavam na agenda oficial de Wiztel nesta sexta. Depois, ele seguiria para Nova York, onde faria uma visita ao Complexo de Detenção de Manhattan, às 15h. 

A assessoria do governador afirmou que ele não compareceu ao café da manhã porque "precisou ir mais cedo para o aeroporto por conta do compromisso em Nova York". O tempo de voo entre Washington e Nova York é de cerca de uma hora e o secretário também tinha que viajar à cidade.

Pivô na crise envolvendo o Palácio da Guanabara e a Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), Tristão é acusado por deputados estaduais de espionar parlamentares, e acompanhou Witzel na visita aos EUA.

Na quarta-feira (27), o governador foi ao FBI onde firmou uma parceria para aprimoramento de técnicas de investigação e inteligência. Na quinta (28), participou de um evento na American University com magistrados brasileiros, entre eles o vice-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.