Dúvidas sobre agenda do governo elevam instabilidade no mercado, diz economista

Para Zeina Latif, desarticulação política faz o Brasil sofrer mais com os efeitos da crise do coronavírus

São Paulo

A economista Zeina Latif afirma que a desarticulação política e a paralisação da agenda econômica no Brasil são fatores que contribuem para que o país sofra mais com os efeitos da crise global do coronavírus nos mercados financeiros.

Para ela, um crescimento maior da economia neste ano será garantido pela queda recente dos juros, mas sem a aprovação de reformas que ajudem na retomada do investimento, poderá haver nova perda de fôlego do PIB (Produto Interno Bruto) em 2021.

A economista Zeina Latif; para ela, não é possível dizer que o pior já passou em relação ao movimento negativo da Bolsa no Brasil
A economista Zeina Latif; para ela, não é possível dizer que o pior já passou em relação ao movimento negativo da Bolsa no Brasil - Reinaldo Canato/Folhapress

O movimento da Bolsa e do dólar nesta quarta é algo que terminou ou pode continuar nos próximos dias? O movimento foi forte, porque acumulou todo o ajuste que já estava vindo do exterior, mas, lamentavelmente, não dá para dizer que o pior já passou. Pode ser que a gente tenha um respiro, mas não ousaria dizer que o ajuste se concluiu. Ainda tem muita incerteza em relação ao cenário lá fora. Mesmo com os números na China indicando que o ritmo de pessoas infectadas e de mortos está perdendo força, o fato é que está espalhando para o mundo. Não dá para descartar uma escalada das más notícias sobre o coronavírus.

Há outros fatores afetando o mercado no Brasil, além da questão do vírus? Considerando que o país está mais protegido da contaminação, por ser um país tropical, não estar tão integrado no fluxo global, a gente imaginaria que seria menos impactado. E não é o que está acontecendo. É inevitável a conclusão de que fatores domésticos estão aumentando esse efeito.

A gente já vinha tendo um certo mal-estar nos mercados, com os números mais frágeis da economia, questionamentos em relação à agenda econômica, desgaste do ministro Paulo Guedes [Economia], ruídos causados pelo presidente e seu entorno, ataques ao Congresso. Tudo isso é má notícia para a agenda econômica e para as perspectivas de crescimento. Os preços de ativos podem estar sendo impactados também.

A instabilidade política está no preço dos ativos brasileiros? É nítido que precisa de um freio de arrumação no governo. A agenda econômica está comprometida. Fica a sensação de que a gente vai ter um ano perdido em termos de avanço de reformas, e nem é só uma questão de problema de coordenação no Ministério da Economia. Está faltando definição de uma agenda de governo. 

Esse pode se tornar um ano perdido também para a recuperação do crescimento? Uma parte do crescimento para este ano está contratada, que é o impacto do corte de juros se materializando no mercado de crédito. Esse é o principal canal para a gente ter uma aceleração do crescimento do PIB em relação ao ano passado. Pode ser que seja tímida, pois esse choque externo vai cobrar seu preço. Não tem como evitar.

A pauta da agenda de reformas vai ter impacto mais adiante. Se a gente tiver um ano em que não avançar em relação ao que é importante, corre o risco de, em 2021, ser ainda mais fraco o crescimento. Precisa criar condições para que tenha de fato um aumento do investimento neste ano, para que a gente possa colher frutos adiante. 

O ano de 2021 também estaria prejudicado? Se a gente tem um quadro tumultuado neste ano, com agenda de reformas, com trapalhadas do governo, em que você vê o consumo aumentar, mas não a taxa de investimento, porque tem um ambiente de incerteza, indefinição de agenda econômica, não ter investimento. Pode ter um crescimento em 2020 beneficiado pelos juros, mas correndo o risco de ficar muito circunscrito ao consumo, sem avançar no investimento. Isso vai cobrar um preço adiante.

A alta do dólar pode desorganizar a economia? As intervenções do BC são suficientes? O efeito do câmbio, em um primeiro momento, é de contrair a atividade econômica. Um dos canais pelos quais a crise do coronavírus impacta a economia brasileira é o câmbio. São os fluxos comerciais, financeiros, o humor do investidor e o câmbio mesmo, que encarece insumos e bens de capital. Faz sentido o Banco Central conter ao máximo a volatilidade, mas ele não tem instrumentos para evitar um movimento que é global, de fortalecimento da moeda americana.

Como o Brasil pode se diferenciar de outros países neste momento? O que precisa é o governo, de forma geral, não só o Ministério da Economia, mostrar qual a agenda. É o melhor antídoto para proteger o país da volatilidade. Seria o grande antídoto para o Brasil evitar o contágio econômico dessa crise global, que talvez tenha mais por vir.

Precisa ter clareza e foco nessa agenda. Não se trata de mandar mais uma proposta para o Congresso. É claro que todo mundo quer uma reforma administrativa, mas não adianta mandar agora, já tem vários temas ali. A prioridade agora é a PEC Emergencial, para destravar o Orçamento, garantir o cumprimento da regra do teto de gastos. Não é mandar mais uma. Está congestionando o Congresso, criando ruído.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.