Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Passageira de voo exclusivo da FAB para a Índia vira secretária especial de Guedes

Ministério anunciou que Martha Seillier fica como secretária do PPI no Ministério da Economia

Brasília

O ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiu criar uma secretaria especial sob seu guarda-chuva para abrigar o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

O comando do programa permanecerá com Martha Seillier. Ela era um dos três passageiros que usaram um voo exclusivo da FAB (Força Aérea Brasileira) de Brasília para a Suíça e de lá para a Índia.

O episódio levou à queda de Vicente Santini do cargo de secretário-executivo da Casa Civil. Como ministro interino, ele requisitou o voo. Conforme revelou o Painel, no retorno ao Brasil, a aeronave fez uma parada de 18 horas na cidade de Palermo, na ilha italiana de Sicília.

Martha Seillier, chefe do PPI, deverá permanecer no cargo - Pedro Ladeira - 21.ago.19/Folhapress

A decisão de criar uma secretaria especial do PPI na Economia foi anunciada depois que o presidente Jair Bolsonaro, ao anunciar a saída de Santini, retirou o o programa do controle da Casa Civil, esvaziando a pasta do ministro Onyx Lorenzoni.

O anúncio de Guedes contrariou expectativas criadas sobre o comando do programa.

Membros do governo especulavam que Martha poderia ser exonerada do cargo, a exemplo do que ocorreu com Santini, em razão de ter viajado no voo da FAB.

Santini foi punido pelo presidente Bolsonaro, que considerou “inadmissível” o uso da aeronave. Ele teve sua saída da secretaria-executiva anunciada por Bolsonaro na terça (28). Um dia depois foi nomeado para outra função na Casa Civil, com um salário apenas R$ 300 menor. A repercussão negativa levou a novo recuo de Bolsonaro em menos de 12h, confirmando então sua saída.

Procurado, o Ministério da Economia informou que não vai se manifestar.

A medida de dar status de secretaria especial ao PPI dá força simbólica ao programa, que passa a ser uma supersecretaria dentro da pasta, ao lado das secretarias especiais de Fazenda, de Previdência e Trabalho e de Comércio Exterior, por exemplo. A pasta agora passa a ter oito secretarias especiais.

Nas conversas dos últimos dias, havia sido aventada a possibilidade de desmembramento do PPI, fazendo com que o programa ficasse subordinado a outras secretarias especiais.

Outra ideia era a de que o secretário especial Salim Mattar (Desestatização, Desinvestimento e Mercados) recebesse as novas atribuições, já que cuida das vendas de ativos do governo.

Com a mudança, Martha Siller será colocada em hierarquia equivalente à de Mattar. A proposta, porém, é de que eles trabalhem em conjunto.

“A diretriz dada pelo ministro Paulo Guedes é maximizar esforços conjuntamente com a Secretaria de Desestatização, Desinvestimentos e Mercados para acelerar o programa de privatização de empresas estatais”, informou o Ministério da Economia nesta segunda-feira (3).

O PPI foi criado em 2016, durante o governo Michel Temer, como um órgão voltado para coordenar a estruturação  de projetos de infraestrutura e de privatização dos diversos ministérios. Esse programa era à época vinculado à Secretaria de Governo, ligado à Presidência da República.

O governo Bolsonaro manteve a estrutura do programa, mas transferiu à guarida da Casa Civil, também ligado à Presidência, e de responsabilidade de Lorenzoni.

O enfraquecimento do ministro teria sido o motivo que faltava para o governo alterar a estrutura do PPI, deixando o órgão sob responsabilidade de uma pasta que, na avaliação do governo, vem dando respostas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.