Navio contratado pela Vale corre risco de naufrágio no litoral do Maranhão

Autoridades trabalham para evitar impacto ambiental, já que a embarcação está carregada de minério e combustível

Rio de Janeiro

Um navio contratado pela Vale corre risco de naufrágio no litoral do Maranhão. A tripulação já foi evacuada e as autoridades trabalham para evitar impacto ambiental, já que a embarcação está carregada não só de minério, mas também de combustível.

O navio foi carregado no terminal marítimo da Ponta da Madeira, em São Luís, e seguia para a China, quando a tripulação detectou a entrada de água em compartimentos de carga, por volta das 21h30 de segunda (24), depois que o casco da embarcação tocou o fundo do mar. 

Navio Stellar Banner, carregado minério de ferro, começou a afundar no oceano, próximo ao litoral do Maranhão
Navio Stellar Banner, carregado minério de ferro, começou a afundar no oceano, próximo ao litoral do Maranhão - Divulgação

Para reduzir o risco de naufrágio, o comandante encalhou a embarcação em um banco de areia a cerca de 100 quilômetros da costa. O Ibama (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) diz que embarcações e helicópteros foram enviados ao local. 

Em nota, o órgão ambiental informou que, durante sobrevoo na região, não foi observada a presença de poluentes no mar.

O navio, chamado MV Stellar Banner, é da sul-coreana Polaris Shipping. A empresa disse que os os porões de carga estão intactos e a situação está sob controle.

Segundo a Polaris, as avarias ocorreram em um tanque vazio do fundo da embarcação. A Marinha diz ter detectado dois pontos de vazamento no casco, mas que não houve derrame de minério nem de combustível. 

Os 20 tripulantes deixaram o Stellar Banner e, segundo a Marinha, estão em segurança em rebocadores na região do acidente. 

Uma embarcação com material para conter possíveis danos ambientais foi enviado pela Vale, disse o comando do 4º Distrito Naval.

O Stellar Banner foi construído em 2016 e tem capacidade de 300 mil toneladas de porte bruto (incluindo seu próprio peso).

Segundo o site Marine Traffic, deixou o porto de Itaqui na segunda (24) e chegaria ao porto de Qingdao no dia 5 de abril.

A Vale disse em nota que, enquanto operadora portuária, vem prestando suporte técnico-operacional e colaborando com as autoridades marítimas.

A Marinha diz que se reuniu com representantes da empresa Ardent Global, contratada pela Polaris, e solicitou a apresentação de um plano de salvatagem do navio.

Sediada em Seul, a Polaris é uma empresa especializada no transporte de minério de ferro, que tem em sua frota 36 navios. Deles, 27 deles são da mesma classe do Stellar Banner: VLOC (sigla para transportadores de minério de grande porte).

A empresa disse que o navio passará por inspeções completas e uma empresa de resgate foi contratada para a contingência. "Todas as autoridades foram acionadas de acordo com os procedimentos padrão e estão respondendo de acordo", afirmou.

A reportagem tentou falar com o escritório brasileiro da empresa, mas ninguém atendeu o telefone. A Marinha instaurou inquérito administrativo para apurar as causas e responsabilidades do incidente. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.